BALLET STAGIUM - FIGURAS E VOZES : LÚDICA IRREVERÊNCIA COREOGRÁFICA

FOTOS/ARNALDO J. G. TORRES

Uma guerra contra todas as guerras – o axioma do  Dadaísmo ecoou desde sua instauração pelo Cabaret Voltaire, na Zurich de 1916. Com seu substrato nonsense  a partir da própria nominação Dadá - inspirada no balbuciar vocal de um bebê ao brincar com um cavalinho de pau - seu ideário artístico era o de subverter a ordem estabelecida.  

Pelas vias do absurdo e da demolição de quaisquer regras sociais ou princípios estéticos, a desconstrução feroz ia da prevalência da plasticidade visual à poesia, do teatro à música. E, no seu ato de anarquizar, incluindo a experimentação coreográfica instauradora de viscerais fisicalidades. Abrindo, enfim, com esta integralização artística, as comportas para a sequencialidade do movimento surrealista.

Ao optar por uma releitura coreográfica de substrato dadaísta, os diretores/criadores do Ballet Stagium (Décio Otero e Marika Gidali) alcançam mais um lance mallarmaico de dados. Pela apropriação ideológica da invenção Dadá no destruir para construir, através do referencial irreverente da proposta estilística de Figuras e Vozes.

Mas sem deixar, é claro, de armar o olhar na contemporaneidade, trilha fiel destes criadores sempre inseridos na tradição transmutada em renovação. Marca registrada e compromisso de uma companhia de dança antenada na brasilidade e na sua identidade de politização, presencial desde a origem (1971) em anos obscuros de ditadura militar.



Nesta obra original de 2014, seguida de  inúmeras turnês,  em oportuno tributo ao centenário do Movimento Dadaísta, há outra vez, o conluio da pesquisa gestual aliada à expressão cênica. Sabendo valorar a linguagem da dança contemporânea com rigorosas fundamentações neoclássicas.

Aqui, seus 15 bailarinos se entregam a um enérgico jogo de teatro coreográfico, na confluência da investigação do movimento aliado ao espírito atlético e à concepção cenográfica. Em incisivas reproduções performáticas de Fabio Villard com signos emblemáticos, como os “readymade” de Marcel Duchamp (a roda de bicicleta, o urinol e o vaso sanitário). 

Além da indumentária (Marcio Tadeu) em predominante tonalidade vermelho sanguíneo, sob potencial realce de luzes vazadas (Edgard Duprat). Extensivo a máscaras lembrando o imaginário de violência, tortura e terrorismo do dadaísta Marcel Janco.

Sob apurado recorte musical (Décio Otero) indo dos dadaístas Germaine Albert-Birot e Hugo Ball, este com seus poemas sonoros, aos acordes vanguardistas de Wim Mertens e Meredith Monk, sem deixar de incluir as interferências pátrias de Tetê Spindola e Marlui Miranda.

O irracional e o delírio na progressão dramática e coreográfica, sintonizados com a problemática de nossa época, trazem a esta representação do Ballet Stagium a retomada do seu habitual elemento de espontânea e provocadora pulsão estética.

Que, a partir do lúdico junto à competência artesanal, nunca deixa de refletir, além da solidez como espetáculo, seu imanente contraponto  critico.

                                     Wagner Corrêa de Araújo


BALLET STAGIUM – Figuras e Vozes – está em cartaz no Teatro da Caixa Nelson Rodrigues, de sexta a domingo, às 19h. 60 minutos. Até 14 de outubro
Postar um comentário

Postagens mais visitadas