TRÊS MULHERES ALTAS : HUMOR SOMBRIO NO COMPASSO DE UMA RECONCILIAÇÃO TERMINAL

Três Mulheres Altas. De E. Albee. Direção /Fernando Philbert. Setembro/2022. Fotos/Pino Gomes.


Quando ela se aproximou dos noventa anos, começou a falhar rapidamente tanto física quanto mentalmente; fui então tocado pela sobrevivente, a figura agarrada aos destroços, recusando-se a afundar”. (Edward Albee).

Nestas palavras, enunciadoras de uma controvertida relação familiar que o autor americano teve com sua mãe adotiva, está a chave conceitual  que abre as portas para o entendimento do misterioso entorno narrativo  de uma de suas últimas e mais emblemáticas obras dramatúrgicas – Três Mulheres Altas.

Inspirada nesta arredia figura materna que, em seu conservadorismo preconceituoso de uma classe americana endinheirada, desprezava aquele filho “comprado”, inclusive por sua condição de se revelar gay. O que o levou a se afastar desta convivência em longo exílio, interrompido apenas por uma visita sua, no instinto de piedade tal um filho pródigo, à beira de seu leito terminal.

E é no encontro destas “Três Mulheres Altas”, nominadas por Albee apenas pelas letras A, B e C, de acordo com suas faixas decrescentes de idade, aqui respectivamente interpretadas por Suely Franco, Deborah Evelyn e Nathalia Dill, que acontece esta acertada escolha para preencher o universo cênico da presente temporada carioca.

Ocorrendo este ajuste através de uma potencializada trama dramatúrgica, conduzida em clima de permanente maestria pela direção de Fernando Philbert, sob a acurada tradução de um contumaz decifrador dos segredos cênicos, o também autor teatral Gustavo Pinheiro.

Três Mulheres Altas. Com as atrizes Nathalia Dill, Suely Franco e Deborah Evelyn. 

Para obra de incisiva caracterização do mais simbólico representante americano do teatro do absurdo. Embora esta opção dramatúrgica seja, por Albee particularmente definida, através de um naturalismo cômico com lastro poético, sustentado em formas dramáticas que o aproximam daquela estética em dimensionamentos bastante diferenciais.

Indo de uma identificação maior com o humor de irônica mordacidade dos personagens de Ionesco do que apelando à absoluta desconstrução da realidade pelo ideário de Beckett. Temperada, ainda, com um sotaque de nostalgia e compaixão entre Tchekhov e O’Neill. E algumas vezes, como nesta peça, marcada por uma dialetação pirandelliana entre o autor, os personagens e os atores.

Em requintado retrato cênico de um clima domiciliar burguês, encimado por móveis de época e decorativas cortinas frontais, outra vez por obra e graça do habitual aporte inventivo de Natalia Lana e dos efeitos luminares ambientalistas de Vilmar Olos, sob discricionárias e instantâneas intervenções da trilha sonora (Maíra Freitas).

Completado na elegante tessitura, com prevalência detalhista no equilíbrio de tonalidades preto e branco, dos figurinos e do visagismo sóbrio de Tiago Ribeiro, sugestionando a reveladora identidade indumentária de três atrizes. Conectada à surpresa, na revirada no enredo da segunda parte, com a convergência metafórica do tríptico atoral transmutado em uma voz única.

No desenrolar desta fabulação despudorada, no seu enfoque ferino da decrepitude antecipadora da fase terminal da nonagenária senhora A, Suely Franco revela carismática maturidade no domínio de seu personagem. Dividido entre considerações, ora de indignados ora de patéticos desabafos diante de sua trajetória de vida.

Enquanto Deborah Evelyn, como B, a  acompanhante/enfermeira, dá uma sensorial lição performática, assumindo uma mulher de meia idade, compassiva mas ciente do futuro similar que, enfim, pode alcançá-la. Cabendo à terceira atriz, Nathalia Dill no papel de C, a responsável pelos assuntos jurídicos de A, com uma irreprimível jovialidade interpretativa, expressar suas expectativas geracionais no escape daquela situação de presencial pesadelo.

Onde a convicta concepção direcional (Fernando Philbert) estabelece um bravo e vigoroso inventário dramático, que se irradia na cumplicidade especular palco/plateia, sob a identificação existencialista com o que há de vir ou do que se esperava acontecer, no percurso da difícil sobrevivência solitária de cada um de nós...


                                        Wagner Corrêa de Araújo



Três Mulheres Altas está em cartaz no Teatro Copacabana Palace, de quinta a sábado, às 19h30m; domingo, às 18hs. Até 23 de outubro.

Nenhum comentário:

Recente

GRUPO CORPO : INSTIGANTE INVENTIVIDADE GESTUAL ENTRE A URBANIDADE DE “CORPO” E O REGIONALISMO DE “PARABELO”

Grupo Corpo/Parabelo. Rodrigo Pederneiras/Direção Concepcional. Maio/2024. Sharen Bradford/Fotos. Prestes a completar seu meio centenário o ...