DENÚNCIA E TRANSGRESSÃO : QUANDO A VERDADE PREVALECE SOBRE O SILÊNCIO

A PROSTITUTA RESPEITOSA. Dezembro 2014. Foto / Eduardo Moraes.


Filósofo, dramaturgo, romancista, Jean Paul Sartre escreveu A Prostituta Respeitosa no pós guerra (1946) abordando, em compasso de denúncia, o racismo no sul dos Estados Unidos, nos embates entre a protagonista Lizzie e os acusadores, amantes e vítimas, fazendo uma incisiva metáfora, carrascos/colaboracionistas, da resistência francesa diante da ocupação nazista.

A prostituta Lizzie (Anita Terrana) sabe que o culpado de um crime é um branco e não um homem negro (Claúdio Bastos) que ela no início acolhe, sendo tomada pela dúvida, a seguir, diante de possíveis vantagens que possa auferir de seu relacionamento com o novo e jovem cliente (Thiago Detofol) filho de um político e senador (Sérgio Fonta).

A peça conserva no elenco os atores Anita Terrana e Sérgio Fonta, da montagem anterior dirigida por Sílvio Guindane, mas a concepção cênica é bem diferente na segunda versão, sob o comando concepcional de Marco Aurélio Hammelin.

Com plástica reconstituição cenográfica em tons realísticos e cotidiana indumentária (Marcelo Marques) sustentadas na ambiência decadentista de uma suíte sexual, a peça mostra uma superior maturidade do elenco nesta sua segunda temporada.

Thiago Detofol revela maior segurança no alcance do personagem em relação à primeira encenação, enquanto Anita Terrana expõe novas nuances interpretativas e evolutivo equilíbrio gestual como a prostituta, diante das mais recatadas atuações de Claudio Bastos e Frederico Baptista.

Quanto a Sérgio Fonta, este continua exibindo seu excepcional naturalismo na convicta performance do senador Clark, mantendo um destaque primordial nas duas versões do clássico texto de Sartre.

Rever Sartre, neste momento, é referencial e reflexivo, diante da necessidade de não compactuar com os absurdos da realidade política brasileira, onde a vantagem é sempre superior à ética.

E, afinal, não deixando também de ser um ato libertário, pois nas lúcidas palavras sartrianas, o que ‘’o teatro pode mostrar de mais emocionante é o caráter no ato de formar-se, o momento da escolha, da livre decisão que empenha uma moral e toda uma vida”.

                           
O FUNERAL. Dezembro de 2014. Foto / Tatiana Farache

Integrante e um dos idealizadores do movimento cinematográfico Dogma 65, o dinamarquês Thomas Vinterberg polemizou com seu filme Festen (1998), aqui sob a titularidade de Festa de Família, pela crueza de sua visão punk, por trás das portas da tradição, dos laços parentescos e da propriedade patrimonial.

Adaptado aos palcos por David Eldridge, teve sua primeira versão brasileira (2009), por Bruce Gomlevsky, agora, por ele retomada com uma dúplice proposta dramatúrgica, incluindo outro texto do mesmo Vinterberg O Funeral.

No primeiro módulo, com a comemoração dos 60 anos do patriarca Helge (Jaime Leibovich), quando se reúnem sua mulher Else (Xuxa Lopes), os filhos Christian (Bruce Gomlevsky), Helene (Luiza Maldonado) e Michel (Gustavo Damasceno), além da mulher e da filha deste último.

E é no desenrolar de um banquete que Christian devassa um segredo escabroso, capaz de desnudar todos os preconceitos, as hipocrisias e a progressiva decadência de uma até então “respeitável família”. Daí em diante sucedendo-se, num clima perturbador, referencias a racismo, pedofilia, ciúmes, traições e suicídio.

O patético desfile de casos de família se acentua no verismo sem  qualquer disfarce do segundo módulo – O Funeral, quando no velório do patriarca Helge, dez anos depois, vem a tona um fato mais bizarro ainda, envolvendo desta vez o primeiro acusador (Christian) abusando do sobrinho, apenas uma inocente criança (Raul Guaraná).

A cenografia tem uma estética crua (Bel Lobo), com ambientais efeitos de luz (Maneco Quinderé e Elisa Tandeta), adequados figurinos atemporais (Ticiana Passos) e eficaz score musical (Marcelo Alonso Neves). Tudo acentuando verticalmente uma árida temática dark conduzida, aqui, com absoluta maestria por Bruce Gomlevsky.

Que, por outro lado, conta com atuações viscerais de um elenco de craques capaz, em suma, de manter uma tensão emocional que contagia, inebria, incomoda, provoca e faz refletir atingindo, com sua voltagem permanente e afiada de corte laminar, a apatia do mais plácido dos espectadores.

                                                Wagner Corrêa de Araújo

O BANQUETE. Dezembro de 2014. Foto / Tatiana Farache.

Nenhum comentário:

Recente

CECÍLIA KERCHE : A ESTELAR TRAJETÓRIA DE UMA BAILARINA MADE IN BRASIL

Cecília Kerche em Esmeralda. Coreografia Jules Perrot. Foto/Reginaldo Azevedo. Em bela iniciativa o Theatro Municipal carioca   resolve pres...