POÉTICA CÊNICA INSPIRADA EM CLARICE, ANA CRISTINA CESAR E JOÃO CABRAL




SE EU FOSSE EU. Janeiro 2015. Foto / Vinicius Ventura  /  Renato Mangolin.



Entre os esboços não acabados e vacilantes, os achados e perdidos das perguntas sem respostas, entre o ser um eu e o quase tudo, entre o luxo do silencio e do coração batendo no mundo, entre o ser o antes, o quase ou o nunca, entre ser tão misteriosa que não se entende, vai se tecendo a escrita amorosa de Clarice Lispector.

Perto da filosófica construção verbal de explosiva exteriorização do eu, seus textos quebram as fronteiras entre o poético e o ficcional, entre o confessional e o documental. E vão, assim, criando identificações mágicas com seus leitores ao estabelecer pontes entre estes abismos interiores.

Enfim, é entre o ser o eu da escritora e o ser o tu dos que fruem sua palavra que, de repente, nós já não somos nós, somos ela. E foi este o grande lance "mallarmaico" de dados que a direção de Delson Antunes alcançou em sua concepção dramatúrgica de "Se Eu Fosse Eu".

Diante dos desafios de uma linguagem equilibrada entre o confronto do pensar abstrato quase hermético e a sensível fruição personalista de seu entendimento, conseguiu abrir as portas da percepção num coletivo ritual de comunhão palco/plateia.

Concebido inicialmente como um sarau cênico que percorria os ambientes centenários da Casa da Leitura na sua versão 2013, retorna, agora, numa proposta mais reclusa entre as quatro paredes de um teatro convencional.

Embora tenha perdido um pouco da pausa respiratória reflexiva (mais que obrigatória em Clarice), presente entre os deslocamentos dos quadros da concepção anterior, ganhou, aqui, um destaque maior na bela confluência estética da cenografia (Miriam Virna e Renata Caldas) e dos sugestivos figurinos (Vinicius Ventura).

Realçada, ainda, no desenho das luzes (Luiz Paulo Neném) e dos efeitos sonoros (Pedro Veríssimo/Fernanda Aranha). E, conceitualmente, na exacerbada sintonia do elenco na diversidade performática das Clarices  - de um romantizado retrato (Tereza Hermanny) à visceralidade transgressora de outro (Thiago Chagas).

Afinal, tudo valendo para compartilhar este rarificado convite teatral, manuscrito no pensar desafiante da própria Clarice, pois : “Se eu fosse eu parece representar o nosso maior perigo de viver, parece a entrada nova no desconhecido”.


JAZZ NO CORAÇÃO. Agosto 2014. Foto / Guga Melgar.

“Ainda não consegui fazer filosofia, versos ou colar retratos aqui (...) Queria voltar ao atelier, leiloar tudo se necessário. Mas sentir as mãos livres, os passos soltos! Minha vida chega a um impasse”.

A partir de reflexões como esta, em formato de prosa poética, a concepção conjunta, da atriz Françoise Forton e do dramaturgo Delson Antunes, conduz a um inventivo e envolvente inventário poético/teatral em torno da obra de Ana Cristina Cesar, no espetáculo Jazz do Coração.

Aqui nada, além da mensagem poética, é necessário para expor o universo existencial de uma autora que, mesmo com sua fugaz passagem existencial, conseguiu impregnar em seu comportamento de vida e obra, os signos de toda uma geração, ecoando seu grito numa época de contradições, à beira dos anos pós golpe de 64.

Num suporte minimalista, a montagem fala, com rara emoção, de um tempo quase ancestral diante do que viria, a seguir, com as especificidades virtuais da geração internet.

Mimeógrafo, máquina de escrever, telefone fixo com disco e fios, cartas manuscritas, malas-baús, postais com selos ocupam o pequeno espaço cenográfico de Jeane Terra. Enriquecido ainda pelos figurinos de Carol Lobato e energizado no gestual de Adriana Bonfatti, numa proposta poética e memorialista, ressaltada pela inspirada trilha sonora, com poemas musicados por Pedro Luís.

E  complementada na sensitiva representação de duas atrizes (Françoise Forton e Aline Peixoto) que alcançam o sotaque necessário para o complexo e, às vezes, difícil relacionamento entre a linguagem poética pura e a performance teatral, campo de indiscutível experiência e domínio do diretor Delson Antunes.

Paixão e caos, euforia e solidão, intimismo cotidiano e apelo universal, marcas do universo poético de Ana Cristina Cesar, refletidos na colagem poético/musical de Jazz do Coração, recomendam a montagem, com um especial destaque no tom carismático de Françoise Forton, ao assumir a personalidade trágico – lírica da poeta.

E ainda pela constatação de que, neste adequado roteiro dramatúrgico, a singeleza cênica nada mais é do que um apanágio da própria palavra poética - necessária sim, mas onde a aparente simplicidade é sempre grandeza:

"O coração só constrói
decapitado
e mesmo então
os urubus não comparecem".

******************************************************************

Há uma grande distância quando Shakespeare rima versos de suas tragédias pensando em teatro, atores e plateia e o uso da voz poética singular, transmutada da folha de papel ao palco.

E quando se trata então de João Cabral de Melo Neto, como é o dimensionar e o traduzir em cena o intransponível e o irredutível do seu pensar poético abstrato e quase hermético?.

Ao contrário, por exemplo, da comunicabilidade emotiva imediata de uma Adélia Prado e que já mereceu, também da Companhia de Teatro Íntimo, uma de suas mais incisivas concepções.

Renato Farias, mesmo assim, aceitou o desafio de se aventurar na transposição cênica da emoção sob controle deste poeta-engenheiro, onde cada um de seus “objetos poéticos" tem o corte seco, direto e afiado de uma lamina.

Arriscando-se diante da complexa e superlativa inventividade composicional do universo cabralístico, buscou imagens associativas para a decifração da árida simbologia desta metalinguagem e desta metapoesia.

Onde, habilmente, soube transformar estes poemas quase físicos em sensoriais elementos cenográficos (Melissa Paro) como caules de cana para o referencial pernambucano mais as sonoridades (Diego Zarcon) e o gestual flamenco (Eliane Carvalho) para as evocações sevilhanas. Além de malas contextualizando partidas e chegadas, entre dois mundos e um mar.

A materialização visual nos figurinos (Thiago Mendonça) da sintética e metafórica linguagem cabralina consegue, ainda, uma adequada conotação na sensibilizada e enérgica entrega do elenco.

Intimista e mais personalista nos atores Caetano O’Maihlan, Rafael Sieg e Raphael Viana no confronto com a sutil exteriorização coreográfica de Gaby Haviaras, que “subida ao dorso da dança vai carregada ou a carrega?”.

João Cabral, a peça, é enfim uma identificação de dentro e de fora, poesia e teatro, performance e palavra poética, capaz de convergir paisagens díspares como canaviais com praças de touros no entremeio de Sevilha e Recife, fazendo interagir palco/plateia no clímax estético de “Educação pela Pedra”.

Numa entrega convicta que, enfim, na imagética definição do próprio poeta “é a que se sente ante um revólver / e não se sente ante uma bala”.

                                         Wagner Corrêa de Araújo


JOÃO CABRAL. Junho 2015. Foto / Carol Beiriz.



Nenhum comentário:

Recente

OUTRO LANCE "MALLARMAICO" DE DADOS DA SÃO PAULO CIA DE DANÇA

SPCD. Les Sylphides. Remontagem por Ana Botafogo. Junho 2021. Fotos/Charles Lima. Final de semana, com brilhantismo ímpar para tempos pand...