UMA REVOLUÇÃO DOS BICHOS : OPORTUNA ALEGORIA ANTROPOMÓRFICA SOBRE AS DISTOPIAS POLÍTICAS

 

Uma Revolução dos Bichos. Direção de Bruce Gomlevsky. Outubro/2022. Fotos/Dalton Valério.


Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais do que outros” – nesta frase do escritor britânico George Orwell está sintetizado o transubstancial fio condutor da  trama ficcionalizada de seu livro Animal Farm que, ao lado de 1984, revela os desvios e as falácias a que conduzem os jogos do poder, do domínio e da submissão na radicalização das ideologias, sejam estas da esquerda ou da direita.

Original de 1945, com o propósito de fazer uma irônica e mordaz sátira aos desmandos tirânicos de Stalin, com sua distorção opressiva dos princípios e ideários políticos que nortearam a Revolução Russa de 1917, desde que assumiu ditatorialmente o poder na expansão da era soviética. Não representando de forma alguma um tributo ao sistema capitalista, pois o intuito de Orwell como um socialista convicto era o de denunciar os abusos autoritários e a subtração dos verdadeiros intuitos marxistas que deveriam continuar a nortear o regime russo pós 1917.

O que ele faz numa representação fabular através de uma fazenda onde os animais promovem uma revolta libertária, diante da forma desprezível e exploratória como eram tratados pelos humanos representados pelo patrão/proprietário. Em livro emblemático por seu substrato atemporal e que vem inspirando desde releituras cinematográficas e teatrais a adaptações para quadrinhos e até jogos virtuais.

E bastante oportuna nesta sua nova retomada cênica nos palcos brasileiros quando sobrevivem regimes guiados pelo totalitarismo de esquerda como a Coréia do Norte, além do crescente radicalismo neofascista tanto na Europa, como nos riscos iminentes do visionário desígnio direitista de um certo país abaixo da linha equatorial.

Em afiada releitura dramatúrgica absolutamente personalizada, titulada agora como Uma Revolução dos Bichos,  embora sustentada no dimensionamento imaginário inicial de Orwell, com um olhar armado na contemporaneidade pela reconhecida maestria textual de Daniela Pereira de Carvalho.

Uma Revolução dos Bichos. Daniela Pereira de Carvalho, dramaturgia. Outubro/2022. Fotos/Dalton Valério

Mais uma vez com a autoridade cênica de Bruce Gomlevsky irradiando no palco a luminosidade desta escritura, em inventiva e provocadora concepção diretorial sintonizada com as trajetórias da dramaturgia de hoje. Em instigante processo de busca investigativa que alia elementos de um teatro coreográfico à metaforização expressionista do realismo performático, já delineado com vigoroso resultado pela Cia Teatro Esplendor em “Tartufo”.

E direcionando-se a uma arquitetura cênica (aqui, na dúplice concepção, por Bruce Gomlevsky) em envolvente plasticidade estética e orgânica pelo uso de feno natural numa ambientação fazendária. Interativa para atores/espectadores na sua disseminação de odores campestres e pelas constantes entradas e saídas, na circularidade do espaço arena/ plateia,  de um elenco com cerca de vinte atores.

Num arrojado visual de prevalência coletiva, entremeado  por alguns solos e cenas grupais, com um referencial onírico na confluência dos caracteres antropomórficos e de um colorido barroquizante. Materializado tanto na indumentária como no visagismo corporal e facial, em sensorial criação que reúne os talentos de Mona Magalhães e Maria Duarte.

Onde a energizada e instintiva interpretação dos atores se divide entre uma espontânea psicofisicalidade no gestual corpóreo/mimético (em funcional idealização de Gustavo Damasceno) e nas variações de tonalidades vocais (por Yasmin Gomlevsky). Aliás, na coesiva linguagem corporal de um afinado elenco, há que se destacar o crescendo dramático e a potencialidade carismática de Gustavo Damasceno no papel de Napoleão e de Yasmin Gomlevsky como Bola de Neve.

Sabendo as sonoridades da sempre certeira trilha  (Marcelo Alonso Neves) pontuar bem, no intermédio de passagens ora mais graves ora mais calorosas, os conflitos emotivos de vitória, desalento e derrota dos personagens animais e humanos, acentuados com precisão, entre claridades  e sombras, nas luzes de Elisa Tandeta. 

Em dias de tanta incerteza política como os que estamos vivendo, há que se ficar atento e forte quanto aos perigos e as armadilhas para instauração de uma nova ordem a partir de pregações messiânicas ligadas a fanáticas lideranças. A lição reflexiva que fica, depois de assistir a Uma Revolução dos Bichos, não pode ser olvidada, ela serviu para 1945, haverá de ser útil para o hoje e, certamente, necessária para o amanhã...

 

                                    Wagner Corrêa de Araújo

 

Uma Revolução dos Bichos está em cartaz no Espaço Sergio Porto, de sexta a domingo às 19hs, até o dia 30 de outubro.


Nenhum comentário:

Recente

BOCA DO MUNDO : CELEBRAÇÃO RITUALÍSTICA DA CORPOREIDADE, NUM COMPASSO DE AFRO BRASILIDADE

  Boca do Mundo/Marcio Cunha Dança Contemporânea. Márcio Cunha/Direção Concepcional. Junho/2024. Fotos/Carol Pires. Boca do Mundo é a mai...