LAR AMARGO LAR : DECOMPOSIÇÃO FAMILIAR EM DOSE DUPLA

ADORÁVEL GAROTO. Novembro de 2014. Foto / Daniel Chiacos.

A obra dramatúrgica do americano Nicky Silver é um retrato sem retoques do difícil ato de suporte da condição humana. Seus personagens estão deslocados nos labirintos da incomunicabilidade e da solidão e neles os quase impossíveis diálogos tem uma nuance de solilóquios, nos quais cada um expõe a sua ácida experiência interna.

Suas peças, marcadas pela árdua necessidade de cada personagem tentar dizer, com todas as letras, quem são, tem um sotaque de humor negro, com sabor de azedume, expresso até na estranheza da sua titulação como Homens Gordos de Saias, Criados em Cativeiro, Pterodátilos. E que é de ironia mesmo quando ostenta possíveis nomes poéticos como Os Altruístas e Adorável Garoto.

Aqui, nesta última, o “beautiful child", com o simbólico nome bíblico de Isaac (Michel Blois), tem seu destino sacrificado por um pai algoz - Henry (Leonardo Franco), ao revelar um polêmico comportamento sexual na volta à casa paterna, como um filho pródigo.

Em busca do abrigo familiar, encontra um amargo lar com uma mãe neurotizada - Nan (Isabel Cavalcanti), diante de um marido indiferente que se consola com a simplória amante Délia (Raquel Rocha).

Em meio a álcool e antidepressivos, agressividade e distúrbios, desvenda ainda a fria interferência da psicanalista Elizabeth Hilton (Mabel Cezar), incapaz de sanar as inseguranças emocionais de Isaac quando criança e que surge súbita na plateia, distanciada e perdida com seu inútil linguajar clínico.

A montagem, conduzida com maestria por uma estreante na direção - Maria Maya, tem seus méritos também na concepção cênica de Ronald Teixeira que captou, com perceptível habilidade visual, o clima de conflito e inquietude do texto.

Sendo marcada, ainda, pela dualidade de um belo cenário de interiores, ora expandindo-se na lateralidade da casa, ora destacado pela nebulosidade com reflexos solares, pela adequada iluminação de Adriana Ortiz.

Completando-se tudo com a presença de um elenco de convicta sustentabilidade, com uma perfeita incorporação de temperamentos múltiplos, na maturidade de atores como Leonardo Franco.

E onde prevalecem, especialmente, a aliciante composição dramática de Isabel Cavalcanti e a atormentada sensibilidade interpretativa de Michel Blois, diante de um quadro sem sentido e em decomposição no qual a vida não passa de uma sala de espetáculo, para apenas se entrar, olhar e sair..

O americano Nicky Silver faz parte deste particularizado grupo de autores de uma dramaturgia contemporânea incisiva e perturbadora, onde o riso irônico nunca é o melhor remédio mas o disfarce para os tapas na cara de cada espectador.

Silver consegue assumir, simultaneamente, o vazio existencial de Samuel Beckett, a podridão familiar de Edward Albee e a transgressão sexual de Joe Orton com uma incisiva apropriação crítica.

E são estes mordazes conflitos da condição humana que atravessam o clima sombrio e de humor ácido da recente versão de um texto seu em nossos palcos – Família Lyons.

A começar do próprio título da peça, numa galhofa utilização dos sobrenomes familiares como ridícula paródia das tradições nobiliárquicas. O que estes “lyoneses” representam senão a decadência, oculta por trás dos doentios laços sanguíneos  de uma família classe média judia suburbana.

Já nos primeiros diálogos percebe-se que a consanguineidade só vale aqui para tirar sangue um do outro. Quando o patriarca Ben (Rogério Froes) na terminalidade de um câncer, responde com palavrões à fútil preocupação da mulher Rita (Suzana Faini) em redecorar a sala de estar. “Eu gosto dela é assim”, diz Ben enquanto Rita replica “Mas eu não. Eu odeio e sempre odiei”.

A disfuncionalidade familiar vai sendo exposta com a disfarçada normalidade da filha alcoólatra Lisa (Zulma Mercadante) e dos fantasiosos dotes literários do irmão gay Curtis (Emílio Orcciolo Netto).

A hostilidade do corretor de imóveis Brian (Pedro Osório) diante das insinuações homoeróticas de Curtis e a frieza comportamental da enfermeira (Rose Lima) completam este tragicômico quadro de egos insuflados, que cortam tão fundo nossas entranhas quanto a virulência cancerígena.

A exacerbada condução de Marcos Caruso acentua, com raro brilho, a contundência da trama dramatúrgica. Nos diversos naipes desta orquestração cênica, a proeminência da performance de Suzana Faini, qual expressivo “leitmotiv”, estimula a entrega total de um elenco afinadíssimo.

A ambientação cenográfica de um minimalismo clean (Alexandre Murucci), com iluminação vazada (Felipe Lourenço) e propícios figurinos (Patricia Muniz), mais a coerente música incidental (Marcelo Alonso Neves), fazem, enfim, de “Família Lyons” uma sensível experiência estética ainda que deixe, como resultado final, um amargo gosto de fel.
                                       
                                              Wagner Corrêa de Araújo

FAMÍLIA LYONS. Junho de 2015. Foto / Paula Kossatz.

Nenhum comentário:

Recente

CECÍLIA KERCHE : A ESTELAR TRAJETÓRIA DE UMA BAILARINA MADE IN BRASIL

Cecília Kerche em Esmeralda. Coreografia Jules Perrot. Foto/Reginaldo Azevedo. Em bela iniciativa o Theatro Municipal carioca   resolve pres...