UNIVERSO HEBRAICO EM TEMPO DRAMATÚRGICO COM DIMENSIONAMENTO CRÍTICO

                                                                 DEUS. Agosto 2014. Foto / João Caldas.

Não é primeira vez que a cena teatral recebe a visita do Todo Poderoso. Que vem desde o dramaturgo romano Plauto, quando Deus, sob a forma de Júpiter, assume o espaço de um marido ausente, na comédia O Anfitrião. Uma peça que serviria de mote inspirador à versão brasileira de Guilherme Figueiredo – Um Deus Dormiu Lá em Casa, um dos maiores êxitos da dupla Tônia Carrero / Paulo Autran.

Mas inusitada mesmo é a chegada do Pai Eterno (Dan Stulbach), sob uma imprevisível identidade humana, no consultório da psicóloga Ana (Irene Ravache) pedindo uma sessão de divã - na peça Meu Deus!, de um dos mais conceituados nomes do teatro contemporâneo israelense - Anat Gov.

Em clima nonsense e de inteligente ironia, Ele confessa estar deprimido com o comportamento de irascível rebeldia dos seres humanos, legado mais precioso de sua criação universal. Com o rumo perdido, sem eira nem beira em sua postura indagativa, leva a analista a ver Nele, aqui e agora, um sintomático doente mental quando afirma não ter nome e nunca ter tido pais em seus mais de dois mil anos de idade.

Ateísta convicta, ela vai se convencendo, aos poucos, dos signos teológicos de que não existe coisa mais próxima, nem mais distante, mais oculta e mais visível do que aquele Deus que pode trazer de volta as desejadas águas da chuva para seu quase árido jardim. O que serve, ainda, de impulso para uma  alegre comemoração ao lado de seu filho autista (Pedro Carvalho).

Os envolventes mal-entendidos, no limite entre os paradigmas espirituais de Deus e os estratagemas humanos da psicóloga, provocam um dinâmico duelo cênico que, sem desmerecer a acertada atuação do protagonista masculino, tem seus melhores lances de vitória na performance da atriz.

Tudo conduzido com toques “divinais” pela boa direção de Elias Andreato, mesmo quando a trama substitui seu inventivo humor, que se faz luz desde a primeira cena, por um tragicômico descanso de sétimo dia, no insistente contraponto - verdades bíblicas e crise civilizatória. Com elegante aporte cenográfico (Antônio Júnior) e formalismo indumentário (Fause Haten) sob efeitos luminares vazados (Wagner Freire).

No entremeio de tantas perguntas sem resposta melhor talvez, no lugar deste infinito embate, recorrer a um estratagema poético com uma, quem sabe, possível solução camoniana:

“O que é Deus, ninguém o entende,
Que a tanto o engenho humano não se estende”.

Ecos que se expandem de Israel à ambiência brasileira, quando diversas gerações de uma família judaica, que optou por outra nacionalidade por circunstâncias politicas da diáspora e da guerra nazifascista, se reúnem por um motivo qualquer comemorativo onde os pilares que sustentam o encontro continuem sendo a religião e os costumes.

E se, mais uma vez, o mote é celebrar uma tradição como o Shabat (o descanso semanal do sábado) aproveita-se ainda para festejar o cinquentenário da mãe e o noivado da neta, em nome das segunda e terceira descendência quando, certamente, vêm à tona sentimentos de afeto ou de conflito no compasso dos desabafos.

Quem não tem matriarcas ou patriarcas que se julgam os líderes ou porta vozes autoritários, em âmbito doméstico, do que julgam ser este o mais admirável dos governos? Quem não tem pais ou irmãos pelos quais nutrem simultâneos laços de ternura ou de ódios tirânicos?

Presencial e de um verismo atroz naquele que se revela o mais visceral dos personagens da peça Silêncio - a matriarca (Suzana Faini) - tornada  a dona exclusiva da última e definitiva lição, com seus quase infinitos solilóquios verbais. Impressionando, sobremaneira, pela exuberante interpretação atoral, capaz por si só de  centralizar as atenções da plateia.

Não deixando, contudo, de reconhecer que são também sensitivas as manifestações de silêncio do patriarca David (Jitman Vibranovsky) enquanto vai preparando sua demolidora revelação sobre as espúrias origens familiares.

Destaque, ainda, para as bens construídas artimanhas cênicas da investigativa estudante (Karen Coelho) e das injunções mediadoras da noiva (Gabriela Estevão), com um desempenho mais sóbrio da mãe (Verônica Reis) e menor alcance na caracterização dos personagens do pai (Alexandre Mofatti) e do noivo (Vicente Coelho).

A cenografia (Nello Marrese), limitada a uma sala familiar, mesa longa e cadeiras num espaço de arena, é interessante por induzir ao envolvimento mais intimista do público, embora incomode, quebrando o ritual familiar, a utilização de banquetas comuns ao lado de cadeiras mais solenes. Os figurinos (Bruno Perlatto) tem tons mais sóbrios combinando com o encontro familiar celebrativo de data religiosa sob um desenho de luz discricionário (Renato Machado).

Em Silêncio, com privilegiada direção também da autora, tendo ao lado o apoio artístico de Priscila Vidca, percebe-se, nitidamente, uma sólida enunciação de personagens num tema, a principio sujeito à total previsibilidade, sustentado por ataques e defesas num jantar que se torna uma acirrada arena de luta, sob diferentes acepções geracionais.

Nesta sua segunda revelação textual, após a feliz surpresa de sua peça Os Sapos, Renata Mizrahi com ascendência judaica ressalta, mais uma vez, sua força qualitativa como uma das carismáticas revelações da nova dramaturgia brasileira.

                                       Wagner Corrêa de Araújo

SILÊNCIO. Junho de 2014. Foto/ Renato Mangolin.

Nenhum comentário:

Recente

CECÍLIA KERCHE : A ESTELAR TRAJETÓRIA DE UMA BAILARINA MADE IN BRASIL

Cecília Kerche em Esmeralda. Coreografia Jules Perrot. Foto/Reginaldo Azevedo. Em bela iniciativa o Theatro Municipal carioca   resolve pres...