QUARTO 19: CATARSE E LIBERDADE PELA SOLIDÃO

FOTOS/CRIS LYRA

Quando a escritora britânica Doris Lessing publicou o conto Quarto 19, no final dos anos 70, a luta emancipatória da condição feminina contra o status opressor doméstico continuava, ainda que transcorrido, então, mais de um século do grito rebelde de Madame Bovary.

Aqui, a personagem feminina aparenta superação na identidade intelectual com o marido, arquitetada em permanente diálogo de pensamento, onde não há conflito no contínuo e prevalente exercício da função doméstica, entre a responsabilidade pelo lar e o cuidado dos filhos.

Solidificada, enquanto o consorte dela repete a cotidianidade de ausências por exigência profissional, no preencher o dia sem ele em bela e confortável residência, rodeada por um aprazível jardim onde brinca com os filhos ainda pequeninos.

Mas nada disto é capaz de sufocar seu questionamento critico, no querer se afirmar mais individualizada na postulação de suas aptidões culturais, além do anseio comportamental pela independência, com novos ares e perspectivas imunes àquela felicidade prisional.

E onde encontrar isto sem despertar apreensões ao relacionamento igualitário e equilibrado de um casal jovem, bonito, rico e feliz,  senão num quarto barato de um hotel qualquer, ainda que a ela sugestione a vulgaridade de serventia para encontros sexuais.

Mas que, enfim, a protege, isola e a faz refletir, acenando, em compasso de sonho e delírio, com um substrato de viagens pelos espaços siderais da mente. E, ainda, como fuga ao vazio sequencial das tardes, já com os três filhos em tempo escolar, e aos incômodos reclames do lar e das criadas na perdida privacidade de seu jardim que ela julga ocupado por imaginários intrusos.

A cuidadosa tradução e adaptação dramatúrgica da atriz protagonista Amanda Lyra para este Quarto 19 privilegia o contexto literário original sob uma sutil releitura, com um olhar mais armado na contemporaneidade, em tom confessional e narrativo, singularizado na proximidade comparativa da questão social/libertária da mulher brasileira.

Sintonizada com um comando diretorial(Leonardo Moreira) que favorece a performance, entre a encenação realista e a progressão literária. Onde a nuance introspectiva da personagem, amplificada na funcional economia dos elementos cênicos, potencializa a cúmplice  interatividade palco/plateia.

Em espetáculo que se transubstancia numa paisagem pictórica da solidão, com referencial dos seres e ambiências solitárias da obra plástica do americano Edward Hopper, perceptível no recato funcional do desenho de luz e do cenário de Marisa Bentivegna.

Sabendo bem a representação de Amanda Lyra como dar convicção e consistência ao seu papel, na força sensorial que imprime à sua vocalização e à sua fisicalidade de contidos e episódicos arroubos gestuais. 

Extensiva à envolvente simplicidade e energizada simpatia com que possibilita, em reflexivo  tom coloquial de conversa olho no olho e na pulsão de corações e mentes, fluir o encontro literatura>teatro, entre a arte e a vida.

                                               Wagner Corrêa de Araújo


QUARTO 19 está em cartaz no Teatro Poeirinha/Botafogo, de quinta a sábado, às 21h;domingo, às 19h. 80 minutos. Até 29 de julho.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas