TOSCA: COM ORIGINALIDADE FUNCIONAL


FOTOS/JÚLIA RÓNAI

Na história da ópera, a quinta criação de Giacomo Puccini – Tosca -  tem um caráter emblemático. Se sofreu críticas por uma certa indefinição  estilística,     no entremeio entre o verismo italiano  e uma tímida tentativa de avanço na estética wagneriana, por outro lado está ligada a fatos curiosos em torno de sua concepção.

Em primeiro lugar sua origem teatral . Do então popular dramaturgo francês Victorien Sardou que, ao lado de outra peça sua - Fedora ,foram marcos na carreira da atriz Sarah Bernhardt . Tendo ambas inspirado, ainda, os libretos de óperas com titularidade similar , a de Puccini e a de Umberto Giordano, esta última de 1898.

Na especificidade da Tosca, sua nuance de forte aporte teatral, tornou-a extremamente exigente no que se refere à sua representação de ópera como drama. O que, muitas vezes, é deixado de lado com a priorização apenas melódica. Por isto mesmo, memorável é a  performance da Callas no papel , com a densa sincronicidade de seus dotes de atriz e cantora.

Outrossim, é interessante constatar que , embora composta em 1900, nos albores da arte cinematográfica, na sua progressão dramática há indeléveis traços desta linguagem. 

Quase como num thriller de climas policialescos/políticos e drama psicológico em suas pulsões de sexualidade, violência, vilania, cobiça e vingança, satanismo e religião. Variado cromatismo sensorial que  pode ser muito bem explorado por uma direção cênica pontuando, em contínua intensidade, trama e música.

Nesta Tosca ,  há uma perceptível intenção crítica de sua direção e concepção cênica (André Heller-Lopes) de imprimir –lhe estas características. Não só na prevalência do aspecto formal como nas suas investidas no território emotivo da representação, buscando a fuga da perigosa atração pelo melodramático /folhetinesco.

Com um belo resultado na arquitetura cenográfica (Juergen Kirner/Manoel Puoci) que sintoniza alterativo realismo e essencialidade plástica. Da ambiência sacra do primeiro ato à imaginária cristã do gabinete de Scarpia à soturna ambientação da cela prisional de Cavaradossi e do terraço do castelo, numa mix transubstanciação religiosidade/criminalidade.

Todos eles sob o transcendente referencial metafórico de um “leitmotiv visual” – o busto de um Cristo fragmentado, sob incidências luminares(Fábio Retti) entre sombras.

Com uma rica indumentária(Marcelo Marques) , apenas com um tom acima na exorbitância aquarelada do coro no Te Deum e no desacerto do figurino “mouro” de Spoletta( Geilson Santos ) qual um Otello verdiano invadindo a cena pucciniana .

A condução musical de um experimentado maestro (Marcelo de Jesus) de óperas revelou segurança ao sublinhar a modulação das passagens lírico /dramáticas e a diversidade de coloridos tonais pela OSTM. Com mais um apurado resultado de Jésus Figueiredo frente ao Coro do TM, num sublimado Te Deum.

Priorizando, sem esquecer a contribuição valiosa, entre altos e baixos, do elenco coadjuvante, o tríduo protagonista  expandiu-se em cena com dignidade, irradiando-se tanto como cantores/atores , tanto como personagens.

O tenor Eric Herrero , a cada dia crescendo mais em sua maturação técnico/vocal, mostrou consistência nos ardentes arroubos do seu Mario Cavaradossi, com harmônico alcance lírico na incorporação de suas projeções dos agudos,  de Recondita ArmoniaEt Lucevan le Stelle.

O Scarpia do baixo/barítono cubano Homero Pérez-Miranda tem uma textura de virilidade vocal impositiva no registro de seus matizes para um papel que requer um pathos de maldade e frieza, especialmente no segundo ato ( Già Mi dicon venal).

Com um timbre vocal de gradações ainda cativantes para sua idade, a soprano Eliane Coelho deu a esta Tosca o necessário presencial de uma prima donna, mesmo com os naturais desafios para uma artista na última fase de uma carreira brilhante.

E mereceu, sem dúvida, a cumplicidade e o aplauso entusiasta do público por um performance  de elegância ,  afinação e de vocalização ainda convincente.

Demonstrando autoridade cênico/musical para enfrentar, com laminar resistência, rounds míticos como o Vissi d’Arte, um instante feroz e um paradigma de bravura na trajetória da ópera .

                                                Wagner Corrêa de Araújo                                                                                                              


TOSCA está em cartaz no Teatro Municipal /RJ, dias 22,23,27,29, às 20hs;domingo, às 17hs. 130 minutos. Até 29 de setembro.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas