4 FACES DO AMOR :CAMALEÔNICAS PAIXÕES MUSICAIS



FOTOS/ROBERTO IKEDA

No amor não existe “tu” nem “eu”. Poder-se-ia , a partir deste pensar filosófico de Krishnamurti, encontrar um mote reflexivo para o original conceitual mix das relações afetivas, no roteiro dramatúrgico/musical de 4 Faces do Amor.

Em sua narrativa de nuances confessionais, inspirada no cancioneiro de Ivan Lins, a proposta autoral de Eduardo Bakr , com o comando artesanal de Tadeu Aguiar e um elenco de craques do musical brasileiro, um casal de enamorados se desdobra em outros 3, numa metafórica fusão hetero/ homossexual.

E é assim que os personagens se caracterizam ora pelos apelidos de Duda que se estende, simultaneamente, a Eduardo e Eduarda, ora Cacau, servindo ainda, metonimicamente  , a Cláudia e Cláudio.

O que possibilita com lírica sutileza a passagem  , sem muros e preconceitos, dos encontros apaixonados às inseguranças  e conflitos, dos adeuses aos epílogos, não importando  a prevalência ou especificidade de  quaisquer sexualidades opostas ou homônimas.

Com todas as pulsões do desejo comunizadas em seus singulares direcionamentos  sentimentais  , num reflexo especular, entre a unicidade e a diversidade, da universalização do romantizado, mas sábio,  enunciado lítero /filosófico  de Stendhal :  “o  amor  nada pode recusar ao amor”.

Numa minimalista ambientação cenográfica (Edward Monteiro) , figurinos cotidianos(Ney Madeira/Dani Vidal) e recatadas luzes(Rogério Wiltgen) ambientais, 4 Faces do Amor tem seu dimensionamento psicológico na  teatralização  sensibilizada das canções de amores partidos( estilístico signo da obra de Ivan Lins), ponteando organicamente os  versos musicais e os diálogos dramatúrgicos.

Destilando sua habitual autoridade cênica, Tadeu Aguiar estabelece seguras marcas sensoriais e estéticas na simbiose e no contraponto de afetos em percursos sexuais diferenciais. Embora, mesmo explorando a fundo estas mudanças de contornos dos personagens, não consiga evitar um quase fastio na constância, em idas e voltas sequenciais, da troca de identidades, climas e situações amorosas.

Contando, ainda, com a sólida estrutura interpretativa de experientes nomes do teatro musical (Amanda Acosta/Sabrina Korgut, alternando-se o naipe masculino - Carlos Arruza, Cristiano Galda e Raul Veiga) e de um elegante suporte instrumental de nuances camerísticas (violino-Anderson Pequeno,violoncelo-Fábio Almeida e no piano, acumulando com seus sofisticados arranjos, Liliane Secco).

Nos sortilégios do palco uma fórmula mágica em quarteto – dos Pontos Cardeais da canção de Ivan Lins aos quatro atores no quadrilátero de situações amorosas- a montagem 4 Faces do Amor se distingue pela teatralidade espontânea, pelo relevo de sua trilha musical e da maturidade de seu elenco, que vem lhe garantindo, enfim,  sua longa trajetória em cartaz.

                                       Wagner Corrêa de Araújo


4 FACES DO AMOR está em cartaz no Teatro Gláucio Gil, de sexta a segunda, às 20h. 90 minutos. Até 3 de abril.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas