SANTA , TEATRO COREOGRÁFICO

SANTA , TEATRO COREOGRÁFICO

Diante de um previsível questionamento classificatório do público pelo espetáculo Santa, com dramaturgia de Diogo Liberano, face à sua multiplicidade de linguagens artísticas, algumas reflexões como possíveis saídas.

O confronto com o elemento teatral propriamente dito, na experimentação predominante do aporte coreográfico da proposta, ao lado da força visual da arquitetura cênica ( Bia Junqueira) lembrando uma instalação plástica ,não anula e ,sim, é o elemento propulsor da proposta dramatúrgica.

A trama narrativa ,conceitualmente de teor poético, se estrutura numa sequencia fragmentaria de solilóquios ,de nuance memorialista, no enfoque das lembranças afetivo/eróticas da relação de um homem( Guilherme Leme Garcia) e de uma mulher ( Angela Vieira),situada entre o passado e o presente.

E o desenvolvimento gestual/coreográfico (Luar Maria) é o fluxo condutor da exteriorização do que Martha Graham chamava em suas obras de “atormentadas sondagens psíquicas”. Assim esta “dança teatral” aparece realmente como o fator indissociável, entre o ator e o bailarino, na expositiva definição dos amantes/personagens.

A condução de Guilherme Leme Garcia encontra o equilíbrio idealizado desta linguagem corporal, às vezes, de alcance
mais imediato que a verbalização das lembranças felizes e das queixas em torno dos silêncios e das ausências.

E os atores, na soma de suas experiências e trajetórias no duplo universo coreográfico/teatral, enunciam ,na entrega emotiva ,a total envolvência num jogo de imagens e palavras, do distanciamento contemplativo aos rarificados toques físicos quando dançam juntos.

A música incidental ( Marcello H/Marcelo Vig) se apoia na precisa divisão entre sonoridades instrumentais, cancioneiro popular brasileiro (Martinália) e referencial a la Broadway. Enquanto a iluminação ( Tomás Ribas) favorece o clima ambiental no deslocamento, por correntes de ar , dos elementos cenográficos ( em material plástico) de impactante sensorialidade.

O autor Diogo Liberano, que vem se distinguindo pela singularidade personalista na busca de caminhos novos para a escrita cênica( como no recente O Narrador), com “Santa” promove a exploração dos limites e aproximações entre o teatro e a dança.

E, no desvendar nesse fascinante universo, começará certamente a "interagir" com os ideólogos desta fonte estética, ora na justificativa mimetização dança/teatro em Maurice Bejart ( “a dança é parte do teatro”) ora na simbologia filosófica do teatro coreográfico de R. Von Laban ( “o movimento é uma manifestação exterior de um sentimento interior”).

                                               WAGNER CORRÊA DE ARAÚJO

4 comentários:

Escrituras Cenicas disse...

SANTA está em cartaz no Espaço Tom Jobim, Jardim Botânico, sabados, às 21h; domingos, às 19hs.

Escrituras Cenicas disse...

SANTA está em cartaz no Espaço Tom Jobim, Jardim Botânico, sábados, às 21h; domingos, às 19hs.

Escrituras Cenicas disse...

Show

Escrituras Cenicas disse...

Agora Também em www.escriturascenicas.com.br

Recente

OUTRO LANCE "MALLARMAICO" DE DADOS DA SÃO PAULO CIA DE DANÇA

SPCD. Les Sylphides. Remontagem por Ana Botafogo. Junho 2021. Fotos/Charles Lima. Final de semana, com brilhantismo ímpar para tempos pand...