SUSANNE LINKE : EM BUSCA DE UM NOVO IDEÁRIO PARA A DANÇA

 

IM BADE WANNEN. SUSANNE LINKE em uma das remontagens de sua  mais celebrada criação. Fotos/Gert Weigelt.


O primeiro contato da coreógrafa alemã Susanne Linke com o mundo foi através do movimento. A infância marcada pela meningite tornou a dança fundamental à sua perspectiva de redenção para a vida. Sendo considerada, enfim, uma das mais importantes criadoras contemporâneas a partir de sua trajetória na dança-teatro distinguido-a, em celebrado tríptico estético, ao lado de Pina Bausch e Reinhild Hoffmann.

No final dos anos oitenta, tivemos um contato pessoal com Susanne Linke, através de um lúcido depoimento desta, onde ela falava de sua formação, influências, processos de criação, os temas de suas coreografias e a prevalente relação da dança com o teatro em sua obra.

Mais uma vez, incursionando pelas plataformas digitais reencontramos a coreógrafa em plena atuação criativa, ora retomando antigos trabalhos ora estreando outros em pleno tempo pandêmico. Diante disto achei oportuno lembrar aqui como se deu a sua busca por um novo código para a dança.

Ela confessou então que sua primeira escola foi a moderna através de Mary Wigman:

"Há uma motivação que, a partir da emoção, leva à ideia. Mas não é apenas esta emoção e sim a vontade de dizer alguma coisa com uma ideia. Passar uma mensagem e experimentar, em diversos níveis o ato de dançar. Em Wigman há este permanente questionamento. É dela também  o melhor treinamento para se sentir a unidade do corpo. Será difícil aparecer um procedimento tão eficaz. Foi com ela que aprendi o sentido integral de cada parte do corpo na dança, como movimentar de forma completa um dedo. Nunca vi nada igual até hoje”.

AFFEKTE. SUSANNE LINKE.2016. Heidemarie-Franz artwork.

Sua passagem, nos anos 70, pela Folkwang, escola fundada em 1928 por Kurt Joss tendo, incrivelmente, sobrevivido à ascensão do nazismo, foi o que mais marcou sua posterior trajetória numa absoluta e particular escritura coreográfica. Seguida pelo capital encontro com Pina Bausch.

Foi lá que encontrou Mary Wigman com quem aprendeu coisas muito importantes. Através de um método sempre muito rigoroso, muito técnico, numa fusão da disciplina clássica com o contemporâneo. Depois veio Pina Bausch com quem trabalhou por três anos, no seu tanzstudio. E também Reinhild Hoffmann.

Com a mesma idade minha, trabalhamos juntas e aprendemos muito. Pina era mais velha, exercia uma maior influência, preservando o trabalho individual de cada uma, com suas diferenças. Não se fazia a dança abstrata, mas toda criação era motivada por uma ideia. Em incrível movimentação que nos levava para a frente. Cada uma de nós em planos diferentes, fazendo disto um período único da moderna dança alemã”.

Questionada sobre seu processo de criação, Susanne explicou como dimensiona a temática cotidiana em diferentes formatações da gestualidade, do movimento e da corporeidade.

“Às vezes, tem-se uma ideia fixa do que se vai fazer, ou a sensação, a intuição do que deve ser feito. Ou então você tem a música que vai ser usada e não sabe, no início, o que fazer dela. Ou quais as melhores partes para expressar sua ideia. Existe também o tema, então trabalha-se em cima dele. Dando-lhe um tratamento dramático ou transformando-o numa história”.

Fugindo daquele tradicional repertório que coloca a dança num mundo metafórico, de sonho, de magia, de hinos à felicidade e à beleza, ela prefere sempre os temas do dia-a-dia que, afinal, são mais sedutores e representam um desafio maior.

Ela ressalta a geração pós anos 70, impulsionada por novos desafios a partir do ideário de Pina Bausch que conectava as linguagens do teatro e da dança, criando uma espécie de teatro coreográfico, em processo revolucionário antecipado no período entre guerras, por Kurt Joss.

Num momento em que tantos experimentos autotitulam se como dança-teatro, sem saber exatamente de onde devem partir as conexões e até onde chegam os limites entre uma linguagem artística e a outra, Susanne Linke reflete:

“Passei pelas duas formas e sei dos riscos que esta tendência representa, pois há sempre a possibilidade do teatro prevalecer. A dança tem algo muito especial que o teatro não tem. E é muito perigoso não perceber isto em muitos grupos de dança/teatro, porque é mais fácil enfatizar os elementos teatrais do que os coreográficos.

É preciso, sobretudo, conhecer os limites estéticos de cada um deles. Pode ser, quem sabe, que um dia a linguagem seja uma só. Não sei o que vai acontecer neste futuro sideral. Só sei que a dança seguirá sempre em frente. É o seu destino natural”, conclui Linke.

                                             Wagner Corrêa de Araújo

  Releitura de NEMMOKNA. Susanne Linke. 2020. Disponibilizada nas plataformas digitais.

Nenhum comentário:

Recente

OUTRO LANCE "MALLARMAICO" DE DADOS DA SÃO PAULO CIA DE DANÇA

SPCD. Les Sylphides. Remontagem por Ana Botafogo. Junho 2021. Fotos/Charles Lima. Final de semana, com brilhantismo ímpar para tempos pand...