CARLOS LEITE : 106 ANOS DE UM MESTRE DA DANÇA

CARLOS LEITE, ENTRE MIKHAIL BARYSHNIKOV E WAGNER CORREA. Depoimento 
no camarim do Grande Teatro do Palácio das Artes ( BH). Julho de 1980.

23 de julho, há 106 anos nascia o gaúcho Carlos Leite, bailarino e professor. Começou sua carreira no Theatro Municipal do RJ, em 1935, ainda com Maria Olenewa, continuando ali com outros mestres, como Yuco Lindberg e Igor Schwezov, sendo solista e primeiro bailarino. Depois de atuar no Original Ballet Russe e no Balé da Juventude, transferiu-se, em 1948, para Belo Horizonte onde implantou a dança clássica com a criação do Balé  Minas Gerais

Numa carreira exponencial que atraiu a atenção não só de Minas  mas do Brasil, com suas propostas originais como um emblemático Lago dos Cisnes apresentado, ao ar livre, em palco montado sobre o lago do Parque Municipal de BH. Sem falar nas suas coreografias para as óperas no Teatro Francisco Nunes e até atuações em produções teatrais e na emergente televisão mineira, representada pela TV Itacolomi.

Foi responsável pela formação acadêmica de nomes fundamentais da dança brasileira como Klauss Vianna, Angel Vianna, Décio Otero e toda uma geração que teve aulas com ele em sua cia Ballet Minas Gerais, além dos que vieram depois da sua direção da Escola de Dança Clássica e do Balé do Palácio das Artes. Entre estes, um dos destacados coreógrafos brasileiros da atualidade, Tíndaro Silvano.

Nos anos 70 até o inicio dos anos 80, atuei ali como Coordenador Artístico do Centro de Documentação e Audio-Visuais, que abrangia o teatro, o cinema e as artes plásticas, além de um centro de memória.

Período quando registramos, em fotos e depoimentos, a passagem por BH de grandes nomes da música e das artes cênicas, desde Charles Mingus a Mikhail Baryshnikov que veio, pela primeira vez, ao Brasil, entre junho e julho de 1980, dançando, como solista convidado, em controvertida turnê nacional, acompanhado pelo Corpo de Baile do Palácio das Artes.

Tive o privilégio na década 70/80 do convívio artístico diário com Carlos Leite, este mestre da dança clássica a quem tanto deve Belo Horizonte desde que optou pela cidade, e que impressionava também por sua simpatia, criatividade e profissionalismo. Através dele, nos inúmeros contatos que tivemos, começou meu encantamento com a arte da dança, especialmente o gênero clássico.

De grande sensibilidade, ele liberava os alunos e os integrantes da Cia de Dança Clássica do Palácio das Artes para aquelas primeiras sessões experimentais que organizávamos com filmes sobre dança, em 16mm (não existiam ainda as mídias posteriores, o VHS e o DVD) e, depois, também em 35mm, através da doação pela Fiat de equipamento profissional de exibição cinematográfica.

E que que dariam origem à futura Sala de Cinema Humberto Mauro, inaugurada em setembro de 1978 e atuante até hoje. Carlos Leite e seus alunos-bailarinos foram, assim, o seu primeiro público em sessões didáticas e formadoras de opinião. Em conversas didáticas antes e depois da sessão falando um pouco sobre que acontecia mundo afora na dança, com filmes cedidos pelas embaixadas, serviços consulares e instituições como a Alliance Française, o Goethe Institut, o British Council e o USIS (United States Information Service).

Ali assistíamos juntos registros de coreografias completas, algumas estreadas naquela década, desde a primeira versão filmada de Spartacus, pelo Balé do Teatro Bolshoi, a energizadas incursões de Alvin Ailey ou simbólicas criações do American Ballet Theatre, tais como Pillar of Fire, de Antony Tudor, ou inovadoras  obras de Maurice Béjart, além de outras, por exemplo de Kenneth MacMillan, para o Royal Ballet.

E até curiosos registros como uma raríssima versão coreográfica para O Canto do Cisne Negro, de Villa Lobos, em curta metragem produzido pelo antigo INCE - Instituto Nacional de Cinema, dos anos em que Humberto Mauro atuava ali como diretor, montador e fotógrafo.

Em 2018, houve a  gravação de mais um dos DVDs da série Figuras da Dança, projeto magnificamente idealizado por Inês Bogéa, diretora de uma das melhores cias. brasileiras e, por que não,  mundiais que é a São Paulo Companhia de Dança.

Desta vez, dedicado a celebrar a vitoriosa trajetória, do ex-bailarino e um dos mais expressivos coreógrafos e professores brasileiros da atualidade, Tindaro Silvano, onde lembramos, através de um depoimento, esta passagem de formação de sua futura carreira, através do Corpo de Baile do Palácio das Artes sob a concepção diretora do grande maitre Carlos Leite.

Fica, assim,  aqui registrado meu tributo a este ser humano e artístico tão especial, nestas fotos históricas de um tempo nostálgico, mas permanente e inesquecível que, impulsionou o talento nato de Tindaro Silvano e, para mim, ficou como o marco de inicialização para o exercício futuro da crítica e da direção de documentários sobre o universo da Dança, esta eterna paixão metaforicamente contextualizada no poético pensar de Paul Valéry:

                                   "La danse c'est une musique qu'on voit".

                                                Wagner Corrêa de Araújo


CARLOS LEITE E TÍNDARO SILVANO. O Mestre o Aluno. Registro histórico  na entrada do Palácio das Artes (BH). 23 Julho de 1976, aniversário de Carlos Leite.


2 comentários:

Unknown disse...

Honrada me sinto por ter sido bailarina, que aprendi muito e tudo sobre a dança com esse grande mestre!!! Fui bailarina do corpo de Baile da fundação Clóvis salgado sob a direção do eterno mestre e coreógrafo Carlos leite. Eterna gratidão!

Tindaro Silvano disse...

Belo texto! Saudades dessa vida de espetáculos e de grandes emoções.

Recente

ZAQUIM : O OLHAR SEM PRECONCEITO DE UM MUSICAL PARA TODAS AS IDADES

    Zaquim, o Musical. Criação coletiva, com direção de Duda Maia. Teatro Prudential. Outubro/2021. Fotos/Renato Mangolin. Após assistir a...