PERDOA-ME POR ME TRAÍRES :PURITANISMO E TRANSGRESSÃO


FOTOS/ PH COSTA BLANCA


“Todo mundo só julga o infiel e nunca a vítima.  Esta fica no seu canto, esquecida ou glorificada. Toda nossa  ira se concentra no infiel. É uma justiça suspeita e unilateral. Devíamos julgar os dois e com a mesma impiedade”.

Se este  foi o conceitual que direcionou  Nélson Rodrigues para sua peça “Perdoa-me Por Me Traíres”, ao mesmo tempo , há um referencial filosófico capaz de remeter, ao ancestral provérbio de que se deve perdoar a todos,mais do que a si próprio. Apreendido contraditoriamente, por  delírio ou sublimidade de caráter, ao  pedir, exatamente o que é traído, perdão confessional por ter incitado alguém a trai-lo.

Pois é, aqui, onde é incisivamente alcançada uma culminância dramatúrgica na perceptividade  deste dilacerado componente psicológico e comportamental, paralelo a um apurado sequencial narrativo e uma minuciosa  caracterização dos personagens.

Mesmo que a habitual interferência, de gosto habitual no memorial rodriguiano , das nuances de melodramático teor folhetinesco, acabe por tornar quase  risível e burlesco, o trágico  enunciado da maldição a que é conduzido o patético  apelo entre o puritanismo  e a sexualidade.

Não foi por mero acaso que o próprio Nélson, em rara atuação como ator na conturbada estreia da peça, há exatamente sessenta anos, em junho de 1957, no palco do Municipal carioca, ouviu , no lugar de Bravo, segundo seu relato, “Tarado, tarado”, por sua obsessiva abordagem, em tons ironicamente operísticos, das paixões sublimadas em taras.

Na perfeccionista montagem que Daniel Herz promove de Perdoa-me Por Me Traíres, além da continuidade rítmica da trama em ato único, ele atinge uma singularizada adequação entre a abstrata mas funcional arquitetura cenográfica (Fernando Mello da Costa) e o sotaque discricionário dos figurinos( Antonio Guedes), sob os efeitos ambientalistas do desenho de luz(Aurélio de Simoni), da envolvência sonora (Ricco Viana) e do sempre  brilhante comando de movimento com  Duda Maia.

Com a segurança da organicidade do elenco, afinados todos na entrega aos seus personagens, a concepção diretorial equilibra, com peculiar coerência, o convívio entre o aporte psicológico, os traços farsescos e a realidade.

Na  voracidade rodriguiana , entre o despudor da verdade e da mentira, da corrupção e da hipocrisia de um microcosmo social ,integrado por duas adolescentes, um prostíbulo e uma ambiência doméstica em processo de demolição moral.

E no falso autoritarismo puritano de um tio preceptor da sobrinha órfã,  ao lado da esposa em  doentio status mental , e  do marido enganado ,  ingenuo ou  idiota em sua similaridade dostoievskiana , se desculpando em auto punição  pelas infidelidades da mulher morta.

Com a participação irrepreensível dos atores Bebel Ambrósio,Tatiana Infante,Bob Neri,Gabriela Rosas, João Marcelo Pallottino, Rose Lima e Wendell Bendelack. E, destacando-se no entremeio da prevalência conflitante  de seus papéis, o convicto domínio interiorizado, a credibilidade de seu verbalismo e a  espontânea fisicalidade gestualista, de Ernani Moraes( como o Tio Raul) e de Clarisse Kahane (como Glorinha, a sobrinha).

Convergindo num espetáculo revelador por seu acerto estético e seu suporte psicologista , tanto no delineamento dos personagens como na sua ressonância reflexiva sendo, assim, capaz de estabelecer laços emotivos e tornar cúmplices atores e espectadores.

                                        Wagner Corrêa de Araújo


PERDOA-ME POR ME TRAÍRES ,depois de temporada na Casa de Cultura Laura Alvim, volta ao cartaz, a partir de 28 de junho, no Teatro dos Quatro/Shopping da Gávea.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas