FOCUS CIA. DE DANÇA: ANATOMIA ESTÉTICA DO MOVIMENTO

VÉRTICE  / FOTOS /PAULA KOSSATZ
  
Há exatamente quinze anos o processo coreográfico brasileiro vem compartilhando o deleite estético  , entre a expressividade e a técnica, de uma das mais inventivas cias do país – a Focus , sob o comando  de Alex Neoral.

Bailarino e coreógrafo, sua trajetória profissional se solidificou numa identidade própria, após sua passagem por significativos núcleos de dança contemporânea, como o Grupo Tápias(Giselle Tapias) e as Cias Nós da Dança(Regina Sauer), Vacilou Dançou(Carlota Portella) e Deborah Colker.

Quando finalmente ,após  estabelecer seu próprio grupo, estreou em 2000 , com Vértice - o espetáculo  inicial, já era um nome respeitado por suas inúmeras incursões em mostras, festivais e diversificadas colaborações.

Na presente retomada de seus trabalhos originais, em temporada por vários palcos cariocas, entre  eles o teatro Cacilda Becker , como o primeiro ponto de partida da Focus Cia. de Dança, vale ressaltar aqui o caráter personalista e impulsionador já imanente nesta fase da revelação coreográfica de Alex Neoral.

O desenho coreográfico das quatro peças integrantes do espetáculo Vértice é , ao mesmo tempo, cerebral e imaginativo, ao constatar o movimento, além dos meros impulsos mecanicistas do gestual humano.

Ressaltando também as enérgicas potencialidades das relações corporais dos bailarinos com o espaço teatral. Sem jamais deixar de lado, na meticulosa exploração plástica de mãos, braços, ombros , troncos,  pernas e pés, uma sensível  construção subjetiva dos sete bailarinos, tanto em Nada Além de Um , como em Trajeto.

Esta sensorialidade aparece ainda, de forma mais individualizada,na transmutação da fisicalidade, entre dois bailarinos (Alex Neoral/Clarice Silva) , em perceptível dialogo corporal/reflexivo do duo com o mundo ao redor, representado pela plateia ( em Inter-cessão ).

Numa alteridade deste jogo coreográfico, eficazes recortes em torno de dissonantes contorções corporais subvertem, humoristicamente, tanto as posturas quanto  a expressividade facial,na obra “Por Partes”.

Enquanto, Quase Uma, no quase referencial ao pensar filosófico de G. Bachelard( Não se encontra o espaço, é sempre necessário construí-lo) duela , entre o determinismo sincrônico e as demarcações externas, na busca  do movimento reinventado ,além das dimensões de  tempo e lugar.

Nesta merecida programação comemorativa, a singularidade criativa e o exponencial techné ( fazer artístico) de  seus superlativos bailarinos(Carol Pires, Clarice Silva, Cosme Gregory, Felipe Padilha, Gabriela Leite, Marcio Jahú, Mônica Burity ,mais Alex Neoral/ dublé de coreógrafo/diretor).

Incluída a contribuição luminosa de Binho Schaefer e  os adequados figurinos (Jacira Garcias),tudo sob  uma transcendente trilha minimalista(Philip Glass/ Meredith Monk),pop(Bjork/Dead Can Dance, Apocalyptica),barroca(Bach), contemporânea ( Kronus Quartet ),via Alex Neoral. 

Fazendo, assim,  com que a Focus Cia de Dança continue, sempre,  seu relevante papel descortinador, na arte coreográfica brasileira e no além mar.


 
   A FOCUS CIA. DE DANÇA está em cartaz no Teatro Cacilda Becker, Catete, de quinta a sábado, às 20h; domingo, às 19h.
   Até o dia 13 de março.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas