TRAJETÓRIA COREOGRÁFICA 2015: TRADIÇÃO, FISICALIDADE E SACRALISMO

TOROBAKA/FOTO BY LOUIS FERNANDEZ
 

A temporada coreográfica 2015 trouxe surpresas e revelações inventivas , num acentuado equilíbrio entre concepções neo-clássicas e um arejado repertorio entre o experimentalismo e a vanguarda.
O repertório histórico teve uma exemplar performance na remontagem de Les Sylphides, por Tatiana Leskova, para o Balé do Theatro Municipal. Estabelecendo, com precisão técnica e saber estético, uma obra  de Fokine  que ela própria interpretara  nos seus anos de  Original Ballet Russe.
 
A companhia oficial carioca inovou com mais dois programas de obras da atualidade internacional, estreando, por aqui,Age of Innocence, do americano  Edwaard Liang,  e O Messias , do argentino   Maurício Wainrot.

Ambas caracterizadas por um acertado equilíbrio entre a linguagens de base  neo-clássica com um sotaque de contemporaneidade. A temporada se completou com duas retomadas do repertório do Balé do TM – Le Sacre du Printemps ( na reconstituição de Millicent Hodson) e a Sétima Sinfonia, de Uwe Scholz.

BALÉ DO THEATRO MUNICIPAL/AGE OF INNOCENCE/FOTO BY JÚLIA  RÓNAI
 
O Balé da Cidade de São Paulo, outra Cia oficial, trouxe a preciosa exibição de um programa duplo , onde Cantata(de Mauro Biggonzetti) , com referencial na tradição vocal italiana,foi  seguida de uma obra do sueco Alexander Ekman, Cacti. Esta , uma  exponencial composição cênica de   tons dadaístas  no seu  surreal jogo lúdico com vasos de cactos.

Comemorando 40 anos, O Grupo Corpo , através de Rodrigo Pederneiras em Dança Sinfônica, replicou o elo entre a solenidade barroquista e a pulsão futurista ,via enérgicos agrupamentos  e líricos pas-de-deux.

Outro aniversário, teve com Thiago Soares, uma original estréia mundial -  La Bala, de Arthur Pita, devaneios gestuais em torno de um cowboy,que supriu a frágil artesania coreográfica em Caresse du Temps, de Alessio Carbone.

DANÇA SINFONICA/GRUPO CORPO/ FOTO BY JOSE LUIZ PEDERNEIRAS

No panorama carioca, o diferencial esteve presente na simbologia do espetáculo/performance A Rainha e o Lugar( Andrea Jabor), na simetria  física /cósmica de Poeira e Água (Renato Vieira) e na sincopada impulsividade da pesquisa corporal da Cia Urbana de Dança( Sonia Destri Lie ).

Do além-mar, o destaque absoluto ficou com a sacralização irradiada na matéria humana em movimento, na concepção conjunta - Israel Galvan(Espanha) e Akram Khan(Inglaterra) de Torobaka.

A sublimidade entre tradição e modernidade no Spartacus (Bolshoi Ballet) ,a inusitada e  subversiva  sensualidade de Tragédie( Olivier Dubois /Ballet du Nord),  a fisicalidade divinal de Gloria (Andonis  Foniadakis /Grand Ballet  de Geneve),completaram ,enfim, o processo estético/ritualístico  desta envolvente trajetória coreográfica.



BALLET DU NORD/ TRAGÉDIE/ FOTO BY FRANÇOIS STEMMER


Postar um comentário

Postagens mais visitadas