NO ME DIGAS QUE NO : DANÇANDO PALAVRAS

FOTOS  BY BRUNO  VEIGA

São muitos os dimensionamentos possíveis entre o realismo magico e a dança contemporânea.  E ,sem  dúvida , é a obra de Gabriel Garcia Marquez um transubstancial  elo inspirador para a criação coreográfica.

 Nela,  o sentido sensorial das imagens oníricas,  no seu livre pensar conceitual, rompe o sentido de tempo e espaço, abstração e realidade.  E suas situações ficcionais  conduzem, assim,  a inimagináveis  soluções coreográficas.

Mas boa parte destas incursões da dança pela obra de Garcia Marquez, o mistificador mor do realismo fantástico, não consegue escapar do mero caráter narrativo , numa exacerbada exploração da marca nativa de seus personagens.

Foi o que a Renato Vieira Cia. de Dança evitou,  buscando um outro e mais instigante caminho na sua transfiguração do universo literário de Gabo ( nominação afetiva do escritor colombiano).

 Na titulação da proposta , No Me Digas Que No , seu mentor, Renato Vieira, já alcança  seu diferencial estético, deixando aberto para o leitor/espectador de Gabo,a sua própria apreensão/reflexão sobre  palavras literárias abstratas sendo desenhadas, visivelmente,  na cena  coreográfica.

Como uma “ work in progress” , esta obra aberta , com suas zonas de sombra e claridade, simbolismo e veracidade, transparece em movimentos , ora enérgicos ora líricos, entre solos, duos paralelos e conjuntos. No exponencial desempenho de Soraya Bastos, Fabiana Nunes, José Leandro , Tiago Oliveira e nas ocasionais entradas de Bruno Cezario.


Os sutis referenciais  da tessitura ficcional de Garcia Marquez despontam, às vezes,  em vozes abafadas e  distanciados rumores sonoros de sinos e de animais domésticos,  possíveis ecos de uma telúrica Macondo.

As interferências musicais aparecem e desaparecem, em meticulosas pausas de silencio e respiração dos bailarinos, ora na solarização( luzes de Binho Schaefer) de um deserto mexicano. Onde Bruno Cezario( também, nos  figurinos e trilha sonora) potencializou parte significativa do imaginário coreográfico.

Ou nas duplas configurações  de relações afetivas de casais , entre cumplicidade e solidão, em expansivos deslocamentos  físicos e  preciosa artesania na gesticulação de pés e braços.

Se, por vezes, a insistência na interrupção do score musical é quase incômoda no sequencial do espetáculo, há um desdobramento para momentos mágicos.

Como a projeção de identificação e transferência (literatura>dança/palco>plateia), da essência coreográfica,  em estado puro , no dialético solo final de Bruno Cezario.



NO ME DIGAS QUE NO está em cartaz no Mezanino do Espaço Sesc/Copacabana, de quinta a sábado, 21 h ;domingo, 20 h. Até 31 de Janeiro.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas