A ALMA COREOGRÁFICA DA ESPANHA: O FLAMENCO, DE PILAR LOPEZ AO LEGADO DE GADES

PILAR LOPEZ, a responsável por toda uma geração de expoentes da dança flamenca. Foto/divulgação.

Século XX, década de trinta, a Espanha vivia um grande momento criador. Ignacio Sanchèz Mejía deixava os touros com suas arenas e dedicava-se ao teatro. Enquanto Federico Garcia Lorca, ao lado de influente geração literária (Rafael Alberti, Pedro Salinas, Jorge Guillén), fazia ecoar um pungente grito hispânico de contrastes e conflitos.

Empolgados por uma crescente pulsão inventiva, Lorca e seus contemporâneos transubstanciavam, em reveladora vitalidade estética, o propósito de fazer da arte um oficio configurador da essência nacional ibérica, com a mais pura e radical autenticidade.

E entre versos, montagens teatrais, composições musicais (na prevalência mor de Manuel De Falla), cores e formas picassianas, a criação coreográfica também teria sua hora e vez. Sanchéz Mejías e Lorca estimulariam Encarnación Lopez a formar o primeiro conjunto legítimo de danças populares espanholas. A fama viria instantaneamente para o grupo que tornou-se conhecido como o “Ballet de La Argentinita”.

Com a súbita morte (1934) de Sanchéz Mejíasa las cinco en punto de la tarde” (nos emotivos versos de Lorca) exatamente em uma arena e o assassinato do poeta (1936) pela hordas fascistas de Franco, nas  proximidades de Granada, La Argentinita privada dos dois amigos - incentivadores, iria manter acesa a chama da então dispersa geração de poetas e artistas. Através, ainda, de concepções coreográficas sob moldes inspiradores nativistas. Em 1945 ela morre em Nova York, cabendo então a Pilar Lopez, integrante do grupo da famosa artista, continuar o legado precioso da sua conhecida  irmã.

Tarefa árdua a de substituir no palco e na mente de uma infinita legião de admiradores aquele prodígio de bailarina conhecida pela crítica como “la suave señora del canto, de la danza  y del arte de trenzar guirnaldas”. Sabendo Pilar Lopez, que viu de perto crescer o enorme talento da irmã, lidar bravamente com o mesmo material que a celebrizara : as fontes populares e a força ancestral da cultura coreográfica espanhola.

FEDERICO GARCIA LORCA E LA ARGENTINITA. 1931. Foto/divulgação.

Em meio a importantes turnês e premiações, Pilar Lopez formaria uma autêntica escola com sustento na tradição, moldando famosos artistas neste gênero de dança como Paco de Ronda, Elvira Real, José Greco, Alejandro Vega e, principalmente, Antonio Gades,     este despontando como um dos mais destacados bailarinos de sua Cia. Mostrando sempre o que há de mais característico no acervo de canto e dança de origem ibérica (especialmente o flamenco), a Cia Pilar Lopez soube, assim, preservar o espírito autóctone das raízes culturais hispânicas.

Em entrevista que realizamos com Pilar Lopez no Palácio das Artes (BH), em novembro de 1972 e numa breve correspondência postal que mantivemos a seguir, ela assim definia o seu ideário coreográfico : “Meu balé recolhe todas as formas e tipos de dança espanhola - dança acadêmica, regional, ou seja folclore, e dança flamenca ou de guitarras. O princípio básico que deve orientar uma bailarina do meu gênero é conhecer, antes de mais nada, a dança do povo e trabalhá-la artisticamente com a necessária autenticidade”.

Em outra de suas observações, ela contava sua ida a um ensaio de escola de samba no Rio:

"Senti ali que todos viviam a sua dança, a sua música, o seu ritmo. Era uma dança alegre que fazia-nos esquecer todos os dramas do mundo, como se não existissem mais sofrimentos e nenhuma tristeza. Um ritmo sensacional e quente que eu, como boa espanhola, senti numa transmissão de alegria e beleza. Também fico feliz quando consigo transmitir, com o meu balé, o mesmo calor do povo espanhol". 

Em solos e conjuntos, Pilar apresentava-se ora acompanhada ao piano, ora por guitarras e castanholas, com marcante sapateado e potencial gestualismo, numa demonstração de sua real habilidade coreográfica, perceptível na absoluta técnica e via primorosa originalidade. Mesmo já em quase final de carreira, nas performances a que pude assistir, conservando incrível flexibilidade corporal e energizada marcação rítmica.

Por exemplo, seu Poema del Cante Jondo funcionava como um tributo coreocênico a Lorca, maior poeta espanhol de sua época e de peculiar apêlo universal. Sóbrio e primitivo canto andaluz, traduzido pela bailarina/coreógrafa com precisão de movimentos e exemplar por sua disciplina artesanal, mantendo-se ela com elegante porte numa sucessão de coplas cantadas sob o som de guitarras e na batida do sapateado. Numa espécie de tropicalismo espanhol, exótico, voluptuoso, mágico e sonhador.

Pilar Lopez foi uma das últimas e privilegiadas possuidoras dos segredos milenares da Espanha coreográfica incitados particularmente por Garcia Lorca. E transmitidos na espontaneidade de seus movimentos ardorosos, ritmos vivos e calor vivencial.

Legado singular de uma provocante bailarina espanhola que sempre foi sinônimo do melhor estilo flamenco, transmutado na integralidade artística de uma Espanha conectada em dança, teatro, música e poesia.

                                           Wagner Corrêa de Araújo

PILAR LOPEZ E ANTONIO GADES. Carmen. 1958. Acervo/Fundación Antonio Gades.

Nenhum comentário:

Recente

VOZES DO SILÊNCIO : POEMÁTICO FILME NÃO FILME BECKETTIANO SOB COMPASSO ELÍPTICO

CAROLINA VIRGÜEZ, em VOZES DO SILENCIO. Uma peça/filme. Abril 2021. Fotos/Fábio Ferreira. “ Nada tenho para dizer, mas somente eu sei como d...