DOCE PÁSSARO DA JUVENTUDE: O VIL PREÇO DA IDADE


FOTOS/MARCELO FAUSTINI

“Nós estamos na sarjeta, mas alguns de nós olham as estrelas”, diz um dos amargurados personagens de Tennessee Williams .

Esta fala de uma peça(Anjo de Pedra) da primeira fase de grande sucesso do dramaturgo, apesar de anteceder, em mais de uma década, seu Doce Pássaro da Juventude (1959), traz um referencial reflexivo , na sua abordagem de uma atriz diante da decadência artística e do envelhecimento.

Mas que julga crer na sua remissão como mulher desejada e de atriz que ainda pode ser estelar. Mesmo que para ela, Alexandra Del Lago ( Vera Fischer), os desafios sejam os mais torpes e escusos, ao aceitar o amor interesseiro e financista do  jovem aspirante à carreira de ator Chance Wayne(Pierre Baitelli).

Ou que tenha que se sujeitar a todas as tramoias  das safadezas de um político da Flórida interiorana (como tantos que conhecemos pelas bandas de cá) Boss Finley (Mário Borges).  Capaz, assim,  de qualquer ato coercitivo ou até com gosto de sangue, para que sua filha Celeste Finley(Juliana Boller) nunca volte aos braços de Chance Wayne.

Com intervenções quase episódicas de outros tipos provincianos, na adequada coadjuvância de Ivone Hoffmann( Tia Nonnie),Pedro Garcia Netto(Tom Junior) , Clara Garcia(Miss Lucy) e Bruno Dubeux(George Scudder),escudados ainda pelos papéis mínimos de  Renato Krueger e Dennis Pinheiro.

Na versão de alguns cortes, por Marcos Daud, Doce Pássaro da Juventude se impõe pelo presencial de dez atores, sob uma indumentária discricionária (Marcelo Marques), com um certo excesso dimensional e aquarelar no figurino(Vera Fischer) de época da cena final. 

Na relevância da mutabilidade de sua concepção cenográfica (Mina Quental), entre belas duplicações especulares e  efeitos projecionais, ressaltados em cuidadosa ambientação luminar (Paulo Cesar Medeiros). Acrescido de recatado, embora evocativo, score sonoro (Alexandre Elias).

Preservando o conceitual temático tão caro à obra dramatúrgica de T. Williams , com prevalência dos medos, das inseguranças, da solidão e das frustrações trazidas no escurecer da vida, através da marginalização à beira da desconstrução estético/erótica do  feminino,por outro lado não há , aqui, a transcendência psicanalítica da criação anterior.

A exacerbada potencialização da decadência e da vilania a distancia das sutilezas no seu tratamento textual,sem entremeios da opressão à fuga pelo sonho. Ou na crudeza como são comandados ,entre a falácia e as drogas, os embates da passagem temporal. No desapreço à atriz/objeto  e na ambição de comportamental gigolotagem, sem perspectivas da ambição pretendida pelo, nem assim tão jovem, amante/carreirista.

Embora convençam pela correspondência de fisicalidade para representação destes papeis, tanto Vera Fischer como Pierre Baitelli. Ela por sua própria história de vida, entre ascensões e declínios, ele por certa similitude na personificação de idade corpórea,  com seu torso nu e abdominal/tanque, como o Paul Newman na versão fílmica ( Richard Brooks, 1962).

Mas que não logram atingir maior dimensionamento no contraponto psicológico do mau caratismo do lado masculino ( o que tem maior ênfase e é melhor sublinhado na performance de Mário Borges) e do apodrecimento do desejo no epígono de uma mulher e na humilhação do  anonimato de uma atriz.

Com uma representação que carece, às vezes, de maior desnudamento dos personagens, ampliada por uma vocalização com desajustes de alcances graves e agudos nos confrontos dialogais do dúplice protagonismo.

Onde mesmo o esforço de uma  direção convicta (Gilberto Gawronski) não consegue impor mais visceralidade e envolvência na  reiterativa progressão dramática de uma narrativa sem  grandes culminâncias.

                                         Wagner Corrêa de Araújo


DOCE PÁSSARO DA JUVENTUDE está em cartaz no Teatro Carlos Gomes/Centro/RJ, quinta a sábado , 19h; domingo , às 18h. 110 minutos. Até 26 de novembro.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas