Pular para o conteúdo principal

Postagens

Recente

UMA FRASE PARA MINHA MÃE : SOB JOGO DRAMATÚRGICO, ENTRE O SENSORIAL E O SEMÂNTICO

No seu livro “O Óbvio e o Obtuso” Roland Barthes esclarece a retórica da natureza linguística da imagem através da palavra contextualizada literariamente. 

De perceptível extensão também à textualidade teatralizada, na absoluta autonomia da opção de ser apreendida visualmente, além de escrita tipográfica ou livresca, com um significado dramatúrgico.
Audível não só pela vocalização do ator mas também suscetível ao alcance do olhar do espectador, como verbalização mimetizada na fisicalidade da performance. Não importando se esta comunicação gestual possa se refletir tanto como conteúdo especular da realidade ou como um discurso intratextual, de caráter metafórico, na sintonização mental ator/espectador.
Desde as primeiras incursões da atriz e diretora Ana Kfouri no universo da palavra representada, ela sempre surpreendeu por seu provocativo desvendamento sensorial do que está por trás e além do sentido semântico e semiótico da linguagem potencializada cenicamente.
Seu primeiro deslumbre mid…

Últimas postagens

O FRENÉTICO DANCIN’DAYS : RECORTE MUSICAL E COREOGRÁFICO DE UM LUGAR LEGAL PARA SE LIBERTAR

DIÁRIOS DO ABISMO : ENTRE O CÉU E O INFERNO

ZILDA ARNS – A DONA DOS LÍRIOS : GUERREIRA E MÁRTIR POR UM IDEAL

THIAGO ARANCAM – BELA PRIMAVERA : POP/ÓPERA EM SHOW CENOGRÁFICO

TEATRO DOS 4 : OBRIGATÓRIA LIÇÃO DE TEATRO PARA INICIADOS E INICIANTES

MEMÓRIAS DO ESQUECIMENTO : ENTRE O PESADELO E A CATARSE

EVOLUTION DANCE THEATER – NIGHT GARDEN : COREOGRAFIA CIBERNÉTICA

CARMEN : SOB RESSIGNIFICANTE LEITURA À LUZ DO FEMINISMO CONTEMPORÂNEO

UM TARTUFO : OPORTUNO LIBELO CONTRA A HIPOCRISIA

BALLET STAGIUM - FIGURAS E VOZES : LÚDICA IRREVERÊNCIA COREOGRÁFICA