JOSÉ ROBERTO JARDIM, DESTAQUE BRASILEIRO NO GLOBAL FORMS THEATER FESTIVAL (NY)

    BELEZA, de José Roberto Jardim, um video-poema dedicado à Semana de 22. Foto/ PUC/SP


Venho acompanhando os registros virtuais dos experimentos cênicos do dramaturgo e diretor José Roberto Jardim. Que  tem sido frequentes nas visitas às plataformas digitais como forma de compensador escape a este claustrofóbico estado sanitário pré-apocalíptico em dimensão global.

E não é por menos que ele acaba de ser convidado como representante brasileiro no Global Forms Theater Festival, de Nova York, iniciado a partir desta primeira semana  de junho, 2021.

Através de transcrição fílmica do espetáculo estreado, na Temporada Paulista 2019, Há Dias Que Não Morro. Oportuna e incisiva proposta temática dando continuidade à sua pesquisa plástico/cinético/dramatúrgica que vem, com raro apuro, desenvolvendo nos últimos anos.

Possibilitado o acesso à transmissão virtual a partir de inscrição e recebimento de um link, a saber:

(https://www.eventbrite.com/.../global-eye-ha-dias-que-nao...)

Só no atravessamento da reclusa trajetória 2020/2021, houve uma sucessiva postagem de instigantes obras fílmico/cênicas, citando entre estas sua autoral releitura beckettiana em ELA+B+ECKETT, em dúplice performance verbal e física com a atriz Fernanda Nobre, mais o  vídeo/poema  BELEZA, inspirado em Menotti Del Picchia e dedicado à próxima comemoração centenária da Semana de 22.

Além do enfoque do seu processo dramatúrgico através de Criação, outro envolvente  vídeo/confessional, prenúncio de sua próxima incursão, inclusive em torno de mais uma de suas releituras como mentor mor na decifração da obra de Matéi Visniec.

CRIAÇÃO. Experimento digital sob conceitual teórico Janeiro de 2021.

Em maio de 2017, uma das melhores surpresas da Temporada paulista em palcos cariocas, foi a de sua versão para Adeus Palhaços Mortos, montagem sobre a qual, ao escrever sobre na época, não contive o aplauso, também extensivo ao público, a outros críticos e às inúmeras indicações a prêmios:

Concepção provocadora pela abertura de seu comando diretorial (José Roberto Jardim), de inventividade direta e seca, a um teatro de contestação. Capaz, assim, de se arriscar, com folego gestual e densidade psicológica, num espetáculo tenso mas revelador.

Desfigurando a formatação convencional, pontuado no desnudamento da ação em inação, de metafórica verbalidade, deixando perguntas sem respostas, mas refletindo, visceralmente, sobre o imponderável da aventura humana”.

Depois de assistir a este último vídeo (Criação), no formato de depoimento com potencial enunciado teórico, não há como deixar de registrar, aqui, a  habitual pulsão da criatividade em José Roberto Jardim, no compasso de sua indomável e incansável busca investigativa.

Cada vez revelando maior tônus qualitativo e descortinador da maestria de seu pensamento. E mais, ainda, na transmutação cênica de tudo isto. Exigindo-se, assim, por necessária urgência, a publicação de um livro conceitual sobre seu processo de criação e de seu ideário dramatúrgico/diretorial.

Com o qual não há como não concordar ou se identificar (no meu caso específico, ao transitar criticamente entre o teatro e a dança) por acreditar, sobremaneira, nesta sua instigante fusão na diversidade de linguagens artísticas.

Conluio entre o gesto e a palavra direcionado a uma espécie de teatro coreográfico, conectado na abertura de novos caminhos sob visceral sustentação estética pelo pensar reflexivo de José Roberto Jardim :

“Penso o espaço de representação como um limbo prisional, um “não lugar” de (in)ação geométrico, exato, inorgânico; um polígono de múltiplas possibilidades para além da razão. E vejo que tive muito isso nos espetáculos que dirigi”.

                                             Wagner Corrêa de Araújo

HÁ DIAS QUE NÃO MORRO. Criação de José Roberto Jardim, no Global Forms Theater Festival. NY,Junho de 2021.
 https://www.eventbrite.com/.../global-eye-ha-dias-que-nao...

Nenhum comentário:

Recente

TRÍPTICO COREOGRÁFICO SOB ESTÉTICA ESPECULAR PARA TEMPOS SOMBRIOS

    Quadros de uma Exposição. Coreografia de Alexei Ratmansky. Wiener Staatsoper. Setembro 2021. Fotos/Ashley Taylor. Diante do desafio da...