MASTER CLASS: CALLAS, O ÚLTIMO (EN)CANTO

FOTOS BY MARCOS MESQUITA

A melancólica volta da soprano Maria Callas,  após o fim do desastrado caso amoroso com Aristóteles Onassis, agravado com o afastamento da carreira, a transforma num fantasma de uma  artista mitificada.

Reencontrando apenas um instantâneo êxito cinematográfico, via Medea de Pasolini, com  uma personificação  que  a consagrara  na versão operística de Luigi Cherubini de similar titulação,  mas desta vez sem uma nota musical sequer.

Era uma vã tentativa  pela subsistência  do seu talento de atriz dramática que , na ópera, se expressava sobremaneira no caráter psicológico dos seus 47 personagens femininos.

Quando  aceita (1971) dar as aulas para 25 alunos da Julliard School of Music de Nova York, ela o faz com o rigor e eficiência de uma mestra na técnica vocal. 

Mas , ao contrário da exacerbação de sua altivez mostrada na “Master Class” do dramaturgo Terrence McNally  era , segundo depoimentos da época, franca nos comentários e moderada nos elogios.

Para os aficionados  em Callas, o ressentimento cruel causado por tantos reveses na vida e na arte nunca teria se transformado no sarcasmo, quase caricatural,  como  o exposto na peça .

E quando a direção de José Possi Neto explora, na medida da medida, o exponencial talento dramático de Christiane Torloni ,é alcançada a teatralidade ideal para marcar as variações emocionais da  conflituada  Callas.

Especialmente nos seus  apoteóticos  solilóquios confessionais, entre a glória e a amargura. Ali,  personagem e intérprete, Callas e Torloni, se confundem na culminância de uma grande performance, de  meticulosa gestualidade  estética e sensível intensidade emocional.

As tonalidades  mais aquareladas da iluminação (Wagner Freire) nestes monólogos, ilustrados com a grande aria da Medea na voz de Callas, contrastam as luzes vazadas das cenas de lições teatralizadas de como ser criativo, cantando e atuando no palco.

Os figurinos( Fabio Namatame)  procuram fugir à sobriedade convencional por uma nuance mais  fashion para a protagonista e ironizados para os alunos/cantores. Enquanto a cenografia(Renato Theobaldo) sugestiona ,em painéis abstratos , o design  clássico verticalizado  de uma plateia operística.

Dos corretos personagens / aspirantes à competição lírica, a insegura Sophie( Bianca Tadini) se espanta perante uma intérprete mor  da ingênua Amina (Ah!Non credea mirarti), em La Sonnambula.

O  presunçoso Anthony(Leandro Lacava) sente-se maior como Cavaradossi ( Recondita Armonia) em  Tosca. E a bravura dramática da cena da carta em Macbeth (Vieni t’affretta) é ambicionada pela impositiva Sharon( Julianne Daudt).

Completando-se pela precisa interferência de dois Thiagos/ atores , o convincente pianista  Emmanuel( T. Rodrigues) e o simplório contra regra/dublê de tenor ( T. Soares).

Entre o sonho e a realidade , o “Vissi d’arte, vissi d’amore” no Ato II da Tosca e a Casta Diva do Ato I de Norma , representam o retrato sem retoques  dos reveses do destino  da divinal Maria Callas.

Na conceitualização teatral, é a aspereza  reflexionada na metafórica lição de Master Class: “Se eu pareço dura, é porque  eu aprendi a  ser dura comigo mesma”.




 MASTER CLASS está em cartaz no Teatro Clara Nunes, Gávea, sexta e sábado, 21h; domingo, 20h. 90 minutos. Até 6 de março.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas