15º PRÊMIO APTR: SOB O COMPASSO DA EMOÇÃO E DA REFLEXÃO PARA TEMPOS ADVERSOS

        A brasilidade musical de Jacksons do Pandeiro. Barca dos Corações Partidos. 2020. Foto/Renato Mangolin.

Diante de um ano marcado por dúplice pânico, do surto pandêmico mortal à controversa crise de governabilidade, com assumido  retrocesso politico e o total descaso à criação cultural brasileira, a realização do 15º Prêmio APTR representou um verdadeiro desafio.

Apostando nos espetáculos apresentados nas plataformas digitais, pela impossibilidade de se ater, por motivos de risco sanitário, à tradicional configuração do teatro presencial, criou-se um formato híbrido. Mas não menos válido e, por vezes, sob resultados surpreendentes com perspectiva por possível vida longa.

Em habitual recorrência aos recursos tecnológicos, conectando dimensionamentos virtuais e cinéticos ao processo dramatúrgico. Que foram se aperfeiçoando e levando, inclusive, a experimentos como a chamada peça-filme.

E, nesta substituição do encontro vivo palco/plateia, pela conquista de um público virtual em nível nacional, dos centros urbanos ao mais interiorano rincão, possibilitou-se, assim, um inédito circuito de alcance social do espetáculo teatral.

Que, por intermédio de provocativo e armado olhar, a APTR soube transformar num lance certo de dados a favor do teatro brasileiro, na hora incerta atravessada a partir de 2020. Abrindo novas frentes, as categorias de premiação ficaram divididas em espaços dramatúrgicos diversificados mas sempre sintonizados com as plataformas digitais.


A oportuna conotação política de Processo Julius Caesar. Cia dos Atores. 2020. Foto/Elisa Mendes

A noite de premiação, na quinta 19 de agosto, data simbólica também dedicada ao oficio teatral, foi aberta por incisivo pronunciamento do presidente da APTR, Eduardo Barata. Constituindo-se em visceral ato político ao denunciar o caótico estado de coisas de um  país onde o fato artístico/cultural foi relegado à condição de subproduto.

Em emotiva apresentação dos atores Marco Nanini e Renata Sorrah, acertado suporte tecno/direcional de Fernando Libonati e significativo roteiro da dramaturga Daniela Pereira de Carvalho, priorizando homenagens a grandes atores e grupos e lembrando os profissionais mortos, à causa inclusive da Covid-19.

Sendo o júri constituído por Bia Radunsky, Carmen Luz, Daniel Schenker, Lionel Fischer, Macksen Luis, Tania Brandão e Wagner Corrêa, além do meritório suporte  do colegiado da APTR. Destacando-se pela diversidade de gêneros e tendências, num panorama de abrangência nacional, a seguinte premiação:

Espetáculo Inédito ao Vivo

Jacksons do Pandeiro - pela Cia Barca dos Corações Partidos (RJ) - Direção Duda Maia

Tudo Que Coube numa VHS - Cia Magiluth  (Pernambuco)

Espetáculo Inédito Editado

Sigo de Volta – Direção Leticia Cannavale (São Paulo).

Espetáculo Adaptado ao Vivo

Contrações – Direção Grace Passô – (São Paulo)

Espetáculo Adaptado Editado

Habite-me - Teatro de Máscaras, Dança e Bonecos - Direção Paulo Balardim - ( RS)

Processo Julius Caesar - Cia dos Atores – Direção Rafael Gomes (RJ)

Jovens Artistas – Troféu Manoela Pinto Guimarães

Elenco  Negra Palavra /Solano Trindade (RJ)

Prêmio Especial :  Fábio Porchat

 

                                        Wagner Corrêa de Araújo  


        Renata Sorrah e Marco Nanini. Os carismáticos atores/apresentadores do 15º Prêmio APTR.

O 15º PRÊMIO APTR DE TEATRO ANUNCIA OS PRÉ-SELECIONADOS DE 2020

JACKSONS DO PANDEIRO. Barca dos Corações Partidos. Direção Duda Maia. Fotos/Cristina Granato/Emanuelle Bernard.


15º Prêmio APTR de Teatro, referente aos inúmeros espetáculos virtuais  e alguns presenciais de 2020, acaba de anunciar os pré-selecionados nas categorias - Espetáculo inédito ao vivo, Espetáculo inédito editado, Espetáculo adaptado ao vivo e Espetáculo adaptado editado, além de Jovem Talento e Especial.

Por intermédio da APTR (Associação dos Produtores de Teatro do Rio) e através  de seu júri, integrado por significativos  nomes ligados à cena teatral e à cultura carioca tais como Beatriz Radunsky, Carmen Luz, Daniel Schenker, Lionel Fischer, Macksen Luiz, Tania Brandão, Wagner Correa, além da reconhecida competência da Comissão Organizadora do Prêmio.

E sempre tendo o incentivo do produtor cultural Eduardo Barata, à frente da iniciativa desde o seu  ideário e sequencial  realização há uma década e meia. Em meritório esforço ininterrupto mesmo diante de desafios, não só trazidos pela presente crise sanitária provocada pela Covid-19 como pelo descaso e retrocesso com que são tratadas as causas culturais por nossa atual desgovernança política.

Por conta de um período atípico, claro, algumas adaptações foram adotadas para este ano. Em vez de apenas espetáculos encenados ao vivo, vão concorrer as montagens apresentadas pela Internet, ampliada a sua perspectiva em nível nacional.

Assim, as categorias ficaram definidas da seguinte forma: Espetáculo inédito ao vivo, Espetáculo inédito editado, Espetáculo adaptado ao vivo e Espetáculo adaptado editado, além de Jovem Talento e Especial.

Entre os inúmeros  destaques, estão “Jacksons do Pandeiro”, da premiada companhia Barca dos Corações Partidos; “O Pior de Mim”, com Maitê Proença; “O Astronauta”, com Eriberto Leão; além de Fábio Porchat, concorrendo na categoria Especial.

Parte das homenagens e da cerimônia do 15º Prêmio APTR de Teatro serão previamente gravadas. O evento será transmitido, ao vivo, pelas redes sociais da APTR e pelo canal do Youtube, na próxima quinta-feira, dia 19, às 20h.

O PIOR DE MIM. Direção Rodrigo Portella. Com Maitê Proença. Foto/Cristina Granato.

Confira a lista completa abaixo:

Espetáculo Inédito ao vivo

“A Arte de Encarar o medo” (São Paulo) Produtora / Grupo: Os Satyros Direção: Rodolfo García Vázquez

“Jacksons do Pandeiro” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Sarau Agência de Cultura Brasileira Direção: Duda Maia

“Parece Loucura mas há método” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Grupo Armazém Companhia de Teatro Direção: Paulo de Moraes

“O Pior de Mim” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Realejo Produções Culturais (Maitê Proença) RJ Direção: Rodrigo Portella

“Tudo que brilha no escuro” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Polifônica Direção: Luiz Felipe Reis

“Tudo que coube numa VHS” (Recife) Produtora / Grupo: Grupo Magiluth Direção: Giordano Castro

Espetáculo inédito editado

“O Astronauta” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: CAJA Arquitetura Cultural Direção: José Luiz Jr.

“Figo” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Projeto Figo Direção: César Augusto

“Kabaré online” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Cia dos Atores Direção: César Augusto e Marcelo Olinto

“Sigo de volta” (São Paulo) Produtora / Grupo: Complementar Produções Artísticas Direção: Letícia Cannavale e Erik Vesch

“Terças Pretas – O Negro em estado de representação” (Recife) Produtora / Grupo: Grupo O Poste Soluções Luminosas Direção: Samuel Santo

Espetáculo Adaptado ao vivo

“Contrações” (São Paulo) Produtora / Grupo: Grupo 3 de Teatro Direção: Grace Passô

“Joana de Gota Dágua a seco” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Laila Garin Direção: Andre Curti e Artur Luanda Ribeiro (Cie Dos à Deux)

“Mata teu pai” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Cia OmondÉ Direção: Inez Viana

“Negra Palavra – Solano Trindade” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Coletivo Preto e Companhia de Teatro Íntimo Direção: Orlando Caldeira e Renato Farias

“Osmarina Pernambuco não consegue esquecer – uma palestra performance” (Rio de Janeiro) Produtora / Grupo: Complexo Duplo / Complexo Sul Direção: Keli Freitas

“Tudo ao contrário – A Cena em prol da vida” (Rio de Janeiro) Produtora /Grupo: CEFTEM Direção: João Fonseca

Espetáculo adaptado editado

“Farol de Neblina” (Belo Horizonte) Produtora /Grupo: Rubim Produções Direção: Yara de Novaes

“Habite-me: teatro de máscaras, dança e bonecos” ( RJ/RS) Produtora /Grupo: Cia 4 produções/ Brasil e Territoire 80/ Canadá Direção: Paulo Balardim

“O Som e a Fúria – um estudo sobre o trágico” (Rio de Janeiro) Produtora /Grupo: Definitiva Cia de Teatro Direção: Jefferson Almeida

“Processo Julius Caesar” (Rio de Janeiro) Produtora /Grupo: Cia dos Atores ireção: Rafael Gomes

“Vida Seca” ( Navegantes – SC) Produtora /Grupo: Cia Manipuladora de Formas Etc i Tal Direção: MAX REINERT

Jovem TalentoTroféu Manoela Pinto Guimarães

Elenco de “Negra Palavra – Solano Trindade” (Rio de Janeiro)

Elenco de “Sigo de volta” (São Paulo)

Giulia Bertoli por “A Lista” ( Rio de Janeiro)

Luiza Loroza por “Jacksons do Pandeiros” (Rio de Janeiro)

Nina Denobile Rodrigues por “A Arte de Encarar o Medo” (São Paulo)

Especial

Grupo Magiluth (Recife)

Fabio Porchat (Rio de Janeiro)

Festival FETEAG (Caruaru – PE)

Grupo O Poste Soluções Luminosas pelo trabalho Terças Pretas (Recife)

Teatro da Vertigem e Nuno Ramos – A Marcha à Ré (São Paulo)


O ASTRONAUTA. Caja Arquitetura Cultural. Direção José Luiz Júnior. Com Eriberto Leão. Foto/Emanuelle Bernard.

Recente

CECÍLIA KERCHE : A ESTELAR TRAJETÓRIA DE UMA BAILARINA MADE IN BRASIL

Cecília Kerche em Esmeralda. Coreografia Jules Perrot. Foto/Reginaldo Azevedo. Em bela iniciativa o Theatro Municipal carioca   resolve pres...