RETROSPECTIVA COREOGRÁFICA : À BEIRA DO ABISMO DANÇANDO PARA NÃO DANÇAR...

SÃO PAULO CIA DE DANÇA. Amálgama, de Henrique Rodovalho. Dezembro 2020. Fotos/Charles Lima/Nicholas Marchi.

Como manter acesa a chama na peculiaridade das artes cênicas sem o elemento presencial palco-plateia que arrasta em processo ritualístico, no entremeio da expressão estética e do élan emotivo, atores, bailarinos, músicos e espectadores? Ou como atuar em área de criação artística, agora potencialmente tornada de risco por suas perigosas proximidades físico/corpóreas, na instantaneidade de contágio exterminador no ar?

Mas, aos poucos, estão sendo desveladas soluções ainda que em compasso de emblemáticas alegorias diante do desmoronar de sustentáculos estéticos seculares.  Enquanto os palcos são novamente ocupados por bravos defensores do ideário e do oficio coreográfico, as plateias indecisas continuaram condenadas à ausência física e à impossibilidade do aplauso.

Mesmo com a fissura deste carismático ritual interativo palco/plateia, neste patético 2020, foram aparecendo as primeiras tentativas, ainda que, em sua maioria, quase sempre reiterativas em suas saídas via recursos áudio virtuais, na expressão simbólica do isolamento social e do distanciamento físico.

E a primeira grande surpresa nas plataformas digitais foi a disponibilização de espetáculo construído sob prescrições sanitárias, diante de enfrentamento coreográfico das limitações de um tempo de pânico, pelas cias 1 e 2 da NDT-Nederlands Dans Theater, em energizada lição gestual para despojada caixa cênica ressaltada por efeitos luminares. Ora na simbológica titularidade - Standby - remissiva a um tempo de espera, numa provocativa releitura, à luz da contemporaneidade, do vocabulário clássico por Paul Lightfoot, ora na metafórica alusão personalista a um momento de despedida em She Remembers, de Sol Léon.

Por outro lado, destacaram-se as coreografias de ambiência colaborativa com paisagens naturais, por vezes em exponenciais componentes cênicos. Como Dance of Dreams, criação coletiva do San Francisco Ballet, tendo sua culminância  no terraço de um arranha céus, sob o leitmotiv de paixão e morte, no antológico score sonoro de Bernard Hermann para o thriller Vertigo (A. Hitchcock). E no visceral experimento coreográfico Silent Burn Project da Akram Khan Company, o capítulo conclusivo Our Animal Kingdom, tributo sensorial ao meio ambiente em representação mimética ao ar livre, com pulsão de sacralidade, ao privilegiar um recorte de animação coreo/fílmica para diferentes seres da fauna terrestre. 

STANDBY. Nederlands Dans Theater. Julho 2020. Foto/ Pieter Offringa

Nossos criadores também vem incursionando, apesar dos pesares, pelos caminhos da busca investigativa para enfrentar, com garra, coragem e espírito inventivo, o desafiante panorama de perigo e caos.

A São Paulo Cia de Dança não se deixou imobilizar em momento algum, reproduzindo nas redes virtuais obras de seu repertório, num catalizador mix clássico-contemporâneo. Auspiciosas também as surpresas de sua incansável mentora mor Inês Bógea em inéditos produtos coreográficos, via lives na sua sede acadêmica, nos Teatros São Pedro e Sérgio Cardoso e em diferenciais ambiências metropolitanas.

Em especial,  no lúdico e reflexivo encontro de linguagens artísticas, sob um provocador dimensionamento concepcional coreo/cinético, em Amálgama, de Henrique Rodovalho. Fazendo interagir corporeidade, movimento, música, plasticidade, no sensorial dialogo estético entre os bailarinos e 23 obras primas do acervo, no Museu de Arte Contemporânea  da USP.

Enquanto Alex Neoral e sua Focus Cia de Dança, através de Corações Em Espera, praticamente inaugurava, em terras cariocas, as proposições pelas redes virtuais de preciso intercâmbio de simultaneidade coreográfica, com seus sete bailarinos em solos de similaridades gestuais e coincidente paisagismo cênico de âmbito domiciliar, a partir de diferentes sítios urbanos em abrangência nacional.

Fundamental foi, do Rio a Nova York, a relevância do papel de identidade feminina, nas propostas sensitivas, desenvolvidas sempre com raro apuro, em realizações conjuntas e individuais, pelo múltiplo talento das artistas Marina Salomon e Regina Miranda, nos seus tributos ao centenário de Clarice Lispector.

Valendo ainda a extensão de outras performances de vídeo-dança, com sólido sustento num teatro coreográfico de contestação e perplexidade contra quaisquer formulações obscurantistas, na peculiar psicofisicalidade de outros bailarinos/atores/coreógrafos, como Denise Stutz, Márcio Cunha e Tiago Oliveira.

No fechamento de um conturbado ano cultural, a má captação fílmica do Quebra-Nozes pelo Ballet du Grand Theatre  Geneve deixou a desejar na sua carência de visão crítica em soturna descaracterização da releitura de um clássico do período natalino. Bem ao contrário, da surpreendente transcrição com sotaque fassbinderiano do Otello, pelo Balleto di Roma, ambos na temporada internacional da Dellarte 2020, de um primeiro ano em que esta não aconteceu ao vivo e a cores.

Mas vale ressaltar também aqui o simbiótico significado do último segmento da moção virtual de integrantes do Ballet do Theatro Municipal/RJ, dentro da série Libertus apresentada por Ana Botafogo. Onde os bailarinos Rodrigo Negri e Priscilla Mota, em incisiva gestualidade, dão em Valsa no Asfalto (com coreografia do primeiro) reflexivo recado, para tempos tanto de incerteza sanitária quanto de carente dignidade política, em emotiva exploração coreográfica sob processo interativo com um carismático espaço público. Além, é claro, do contagiante referencial pandêmico-carioca do vazio de uma autóctone passarela da cultura popular brasileira...                             

                                           Wagner Corrêa de Araújo

VALSA NO ASFALTO. Rodrigo Negri e Priscilla Mota. Dezembro 2020. Foto/Léo Queiroz.

Nenhum comentário:

Recente

VOZES DO SILÊNCIO : POEMÁTICO FILME NÃO FILME BECKETTIANO SOB COMPASSO ELÍPTICO

CAROLINA VIRGÜEZ, em VOZES DO SILENCIO. Uma peça/filme. Abril 2021. Fotos/Fábio Ferreira. “ Nada tenho para dizer, mas somente eu sei como d...